Posts arquivados em Mês: março 2019

17 mar, 2019

[Resenha] Praia De Manhattan @intrínseca

“Praia De Manhattan” foi uma leitura que me deixou reflexiva sobre diversas questões, uma das mais importantes foi a criatividade da autora em criar um romance histórico tão centrado em seus personagens como nunca havia lido antes. Impactada ainda estou com o livro e tudo que ele representa, sua singularidade é admirável!



Sinopse: Tributo à tradição dos grandes romances americanos, o novo livro da vencedora do Prêmio Pulitzer acompanha Anna Kerrigan e Dexter Styles em um universo noir povoado por gângsteres, mergulhadores e banqueiros durante os tempestuosos anos 1940.Com quase 12 anos, Anna acompanha o pai à casa de Styles, uma figura enigmática que pode ser crucial para a sobrevivência de sua família. Durante a visita, ela fica completamente hipnotizada pelo mar em volta da construção e pelo mistério que ronda a relação entre os dois homens. Anos depois, o pai de Anna desaparece. Já adulta, ela se torna a primeira mulher mergulhadora e conserta os navios que vão ajudar o país durante a Segunda Guerra Mundial. É nesse cenário que, em uma noite de folga, reencontra Styles em uma boate. Certa de que ele pode ajudar a desvendar os segredos que envolvem a história do pai, Anna inicia uma relação tão improvável quanto perigosa.

Anna Kerrigan é uma criança peculiar, não tão bonita como sua irmã porém esperta e observadora como ninguém, ela vive uma infância centrada em seus relacionamentos familiares. Seu pai é um homem forte e transmite para a jovem menina uma segurança absurda de mundo, sua relação com ele é doce, sincera e de muito afeto. Em casa Anna tem uma outra pessoa importante, sua irmã, Lydia sofre de uma doença que não a permite, andar, falar, comer ou fazer qualquer outra coisa sozinha, mesmo assim é dona de uma beleza que faz brilhar os olhos de quem a vê.

Junto de sua mãe elas cuidam de Lydia com todo amor e afeto que se é possível, o momento mais íntimo entre as três mulheres daquela casa é quando o pai não está presente e elas podem dançar e sentir as ondas sonoras adentrarem suas almas. Geralmente após fazerem isso dão banho em Lydia para aliviar as tensões e dores que a pobre menina sente. Lavam seu cabelo com o mais cheiroso dos shampoos e mimam a pequena o máximo que podem.

Anna tem uma rotina da qual gosta muito, ela sempre está junto do pai em suas saídas a trabalho, ela é sua companheira e isso os unem muito, os passeios com o pai são os melhores e ela não abre mão de estar ao seu lado. Em um desses passeios as coisas mudam, e a jovem talvez muito tarde saberia o porque.

“Elas são bem mais fortes do que nós-ouviu-o dizer ao pai.-Por sorte nossa, não sabem disso” Página 17.

A obra foi ambientada em um período de crise, para muitas famílias em Nova York, a decadência de uma era, graças a quebra da bolsa de valores, para a família de Anna não foi diferente as dificuldades enfrentadas pela crise fizeram seu pai tomar uma decisão que permitiria a sobrevivência de todos.

“Só dói no começo-respondeu ela-Depois de um tempo, você não sente mais nada.” Página 16

A escrita de Jennifer Egan se intercala com a narrativa da jovem Anna e de seu pai, aos poucos o leitor também tem deslumbres de outros personagens narrando a história que compõem o romance, e essa escolha de escrita feita pela autora fez total diferença durante a leitura. Meu primeiro contato com seu trabalho foi absurdamente revelador e instigante, a forma como ela descreve cada acontecimento em seu livro nos faz adentrar aqueles cenários como se fossemos parte dele, entretanto somente como observadores dos fatos sem interferências maiores.

Inicialmente a obra de Egan é um total mistério, passagens desconhecidas ao leitor, até que a autora começa revelar de forma mais clara os conflitos que cercam seus personagens, as questões envolvendo o pai de Anna e sobre como ele decidiu salvar sua família da miséria também é colocada de forma misteriosa ao leitor o que torna o livro cada vez mais interessante. Após alguns anos podemos acompanhar a trajetória que Anna deu a sua vida, já mais velha e empregada em um uma função nada convencional, ela trabalha no arsenal da marinha e continua sendo a mesma jovem sonhadora que foi na infância. Mesmo ainda nutrindo sonhos como quando criança Anna se torna a responsável pelo sustento de sua família, após o pai ter desaparecido, aos poucos ela vai se desenvolvendo na marinha e sobe de cargo.

“As vezes é mais dificil pedir a Deus alguma coisa para si mesmo.”

Após muitos anos a jovem não desistiu de achar seu pai, e entre as responsabilidades do trabalho e família ela investiga paralelamente o seu sumiço, Anna acaba descobrindo que ele estava envolvido com um mafioso chamado Dexter Styles, essa descoberta é um choque para a jovem que constatou o envolvimento do pai com crime.

A obra é um misto de crise financeira e guerra, conhecemos um pouco daquele período e temos como pano de fundo uma época de corrupção, mafiosos, gangsters e ilegalidade. O livro possui quase 500 páginas em alguns momentos a leitura torna-se meio lenta o que foi um pouco difícil de lidar, fora isso a autora entrega um trabalho digno muito bem realizado que me agradou muito.

Jennifer Egan é uma escritora reveladora, criativa, inteligente, e consegue ligar seus personagens com os fatos e circunstâncias que propõem em sua obra, uma característica admirável, a edição lançada pela editora Intrínseca é muito bonita, adorei a capa do livro que já remete um pouco do que ele irá contar. O livro levanta algumas questões importantes atualmente e que devem ser debatidas de forma mais profunda, isso também provoca algumas reflexões sobre essas questões o que coloca o leitor para pensar.

Enfim a obra vale ser lida e conhecida, recomendo para os que procuram algo criativo e instigante, com personagens sólidos e histórias reveladoras.

Espero muito que tenham gostado!

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New Yorker, Harper's Magazine, Granta, GQ, Zoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New YorkerHarper’s MagazineGrantaGQZoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Xoxo.
Título Original: Manhattan Beach|Páginas: 446|Gênero: Romance|Editora: Intrínseca |Minha Avaliação: 5/5 |Comprar: Amazon


16 mar, 2019

[Filme] Dumplin @Netflix

Uma grande parte dos filmes e séries do catálogo da netflix são adaptações literárias, e em sua maioria são muito boas e bem produzidas, “Dumplin” é uma dessas adaptações, e confesso que mesmo que eu não tenha lido o livro ainda assim, apreciei bastante a ideia criada no filme para nos transmitir algumas mensagens importantes e lições valiosas, uma das que mais me marcaram foi a forma que um dos personagens demostrou o que sentia da forma mais respeitosa e sincera que podia.

Sinopse: Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), é uma jovem acima do peso e bastante confiante com o próprio corpo, apesar de não ter o respeito de sua mãe, uma ex-miss (Jennifer Aniston). Quando se apaixona pelo atleta Bo (Luke Benward) e começa a ter inseguranças. Will decide entrar num concurso de beleza como forma de protesto.

A superação de cada um envolvido no filme irá te cativar durante a exibição, você consegue identificar as dificuldades e personalidade deles de forma singular e natural, é incrível o desenvolvimento dos atores como pessoa, foi uma das coisas que me chamaram atenção durante o filme.

A história da protagonista inicialmente torna -se clichê, uma garota acima do peso considerado aceitável pela sociedade onde vive, clássico do que passei em minha adolescência e vivo até os dias atuais. Porém a forma como ela lida com isso é diferente da qual eu utilizava, geralmente me isolava e ficava triste quando alguém me ofendia por ser gorda.
Willowdean é uma personagem mais forte e centrada, isso não significa que não sofra, mais ela encara as coisas de sua vida de uma forma mais madura, quando perdeu sua tia que praticamente a criou as coisas desandaram um pouco, mais ela achou seu caminho de volta e foi ser feliz sendo quem é!

Enfim não vou me estender muito, mais gostaria de indicar esse filme mesmo para quem assim como eu ainda não leu o livro, acredito que a leitura será mais enriquecedora, entretanto a adaptação já me ganhou em diversos aspecto.

Ops! Já estava me esquecendo a trilha sonora do filme foi um presente e tanto, assistam para vocês saberem qual é!

Espero muito que tenham gostado da dica, beijos!

06 mar, 2019

[Séries] Algumas novidades @netflix

Já tem algum tempo que resolvi assistir algumas séries novas no catálogo da Netflix, mais ou menos a umas três semanas que venho acompanhando essas séries e ontem finalizei todas elas. São séries com abordagens diferentes o que ja as tornam especiais e interessantes, espero muito que gostem!

A primeira série que finalizei foi The Umbrella Academy, uma adaptação dos quadrinhos publicados pela Dark Horse Comics, segundo pesquisas no google. Ela é composta por uma mistura de ação, aventura e drama familiar que nos proporcionam uma interação absurda com a história, fiquei encantada com a interpretação dos personagens e toda a fotografia da série, muito bacana mesmo.

Sinopse: Antes de falecer, o milionário Sir Reginald Hargreeves adotou sete crianças a fim de treiná-las para combater o mal. Depois que ele morre misteriosamente, esses jovens habilidosos unem suas forças para seguir o caminho para o qual seu pai adotivo os criou e acabam se envolvendo em um mundo muito mais perigoso do que eles imaginavam ser possível. Adoro Cinema.

A segunda dica de série que gostaria de compartilhar com vocês é Família ao resgate, uma produção sensível que nos desperta para o amor e a compreensão da perda, uma família que sofre bruscamente uma perda muito significativa e que juntos enfrentam todos os obstáculos que estão por vir depois desse trágico acontecimento. Com lições valiosas sobre superação os personagens nos introduzem em suas vidas e passamos a acompanhar a trajetória de cada um deles.

Sinopse: Traduzido do inglês-O Northern Rescue é um drama canadense de 10 episódios transmitido pela CBC Gem, assim como pela Netflix, que leva a série como distribuidora internacional. A primeira temporada estreou em ambos os serviços em 1 de março de 2019.

Nossa terceira série de hoje é uma empolgante produção chamada Segurança em jogo, com muita ação, romance e intrigas, somos fisgados para uma trama de traições, política e desfechos eletrizantes.

Sinopse: David Budd é um veterano de guerra que agora trabalha para o Serviço de Polícia Metropolitano de Londres. Quando ele é designado para ser o guarda-costas da secretária do Ministério de Administração Interna do Reino Unido, cuja política representa tudo o que despreza, Budd se vê dividido entre seu dever e suas crenças. Adoro cinema.

As produções que indiquei hoje estão disponíveis no catálogo da Netflix Brasil, e volto a afirmar aqui que não me arrependo de ter assinado essa plataforma tão valiosa, existem diversos conteúdos disponível para todos os tipos de público e vale mesmo a pena ter esse serviço em casa. (Isso não é Publi!).

Espero muito que tenham gostado das dicas e que possam aproveitar este final de semana de carnaval para repor as energias assistindo uma boa indicação como estas do post de hoje, vejo vocês em breve!

Xoxo

Todas as imagens usadas nesta postagem pertencem a: Kaboompics

02 mar, 2019

[Resenha] O Verão Que Mudou Minha Vida-Jenny Han @intrínseca

O verão nunca foi minha estação preferida, até o momento minha visão sobre ele era de desconforto, mais Jenny Han com toda sua experiência e criatividade despertou um sentimento adormecido em mim há muito tempo. Fique menos frustada com o calor e senti aquele sensação de aconchego novamente lendo a obra “O verão que mudou minha vida”. o livro pode ser inicialmente descrito como reconfortante e alegre o que já nos desperta para uma história linda!

Sinopse: A vida de Isabel Conklin é marcada pelas férias de verão. As outras estações do ano são como um intervalo, dias que passam lentamente enquanto ela espera que o sol lhe traga de volta o que mais ama: o mar, descanso, diversão e, principalmente, Conrad e Jeremiah Fisher. Os garotos da família Fisher sempre estiveram ao lado de Belly em suas aventuras. Conrad é ousado, sombrio, inteligente. Já Jeremiah, é confiável, engraçado, espontâneo. Mesmo sendo tão diferentes, os três constroem uma amizade que parece inabalável. Apenas parece… Tudo muda quando, em uma dessas férias, Conrad demonstra sentir algo por ela. O problema é que Jeremiah faz o mesmo. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e encarar o inevitável: ela vai partir o coração de um deles. Na trilogia Verão, acompanhamos Belly dos 15 aos 24 anos. Em meio a descobertas e mudanças, ela se apaixona, se envolve em um triângulo amoroso, entra na universidade e descobre que amadurecer também significa tomar decisões difíceis. Primeiros romances jovens de Jenny Han, os três livros são agora relançados pela Intrínseca, com novas capas e traduções inéditas. Skoob

“Belly” é uma jovem sonhadora com algumas paixões, na verdade são quatro ao todo, o verão, a casa de praia e o que vinha com ela, Jeremiah e Conrad, amigos desde pequenos, ela contava os dias e as horas quando verão se aproximava porque sabia para onde iriam e quem iria encontrar, quando já estavam na estrada e sua mãe dormindo no banco traseiro do carro enquanto Steve dirigia, Belly já imaginava como seria este verão e que muitas coisas tinham mudado inclusive ela tinha mudado e muito.

Elas eram tão familiares para mim quanto as que ouvia em casa, por isso sentia como se ja tivesse chegado ao nosso destino.

“Steven” era o irmão mais velho de Belly e vivia implicando com a jovem, neste inicio de verão não foi diferente mais com o passar dos dias na casa de praia as coisas ficaram estranhas e isso deixou Steven confuso, ele sempre foi muito amigo dos meninos Jeremiah e Conrad, neste ano em particular ele iria embora mais cedo, para visitar universidades com seu pai, como disse muitas coisas mudaram.

A casa de praia não era chique, era normal, habitável e confortável- com sofás de estofados velhos e desbotados e uma poltrona reclinável- eu e os meninos sempre brigávamos para ver quem ia se sentar nela.

“Jeremiah e Conrad” são unidos até certo ponto como irmãos e a vida dos dois esta uma verdadeira bagunça, eles tinham crescido assim como Steven e Belly, amadureceram mais algumas coisas na fase adulta machucavam demais, e os dois estavam passando por coisas deste tipo, Jeremiah sempre foi o mais divertido e alegre sempre fazendo piada de tudo e Steven ia na onda do amigo, o alvo sempre foi Belly desde pequena ela sofria com as brincadeiras dos dois. Conrad era mais reservado mais inteligente e esperto, porém não deixava de participar das algazarras de verão com seus amigos e se isso incluía zombar da irmã mais nova de Steven então que seja.

“Belly” sempre foi mais próxima de Jeremiah, eles tinham uma conexão diferente dos outros, eram amigos de verdade e não tinham segredos, a mãe dos meninos a adorava, Susannah era a melhor amiga da mãe de Belly e sempre se encontravam no verão para unir as “crianças” e se unirem na estação mais intensa do ano. Susannah nutria um amor de mãe por Belly dizia que a jovem era sua filha postiça e torcia para que ela ficasse com um de seus filhos, no fundo sabia que a doce menina gostava de Conrad desde sempre.

Este ano na casa de praia as coisas estavam diferentes, no inicio Belly não notou nada estranho, mais com o passar dos dias foi percebendo o quanto tinham mudado, todos eles, Steven menos que os outros ele ainda era o irmão chato e implicante, um pouco mais velho mais ainda era o Steven, Jeremiah ainda era divertido e alegre mais de forma diferente, já Conrad estava completamente sombrio e distante e quando as coisas ficaram complicadas ele só piorou tudo. O que Belly não sabia era o motivo de toda aquela mudança e isso a entristeceu e muito.Eu continuava sentindo exatamente a mesma coisa.

“Era como se eu estivesse no topo de uma montanha-russa, prestes a despencar”

Bells era uma menina meiga, delicada que passou a vida tentando se encaixar no grupo da casa de praia, sempre deixada de escanteio pelos meninos, ela ficavam chateada com a indiferença deles em muitos aspectos, mais como tudo na vida passa neste verão ela estava mais madura, mais bonita, com o corpo diferente, já tinha quase 16 anos e isso fez com que eles a vissem de outro jeito, demorou mais Belly conquistou a atenção do garotos e isso mudou sua vida.

” O que eu detestava era a sensação de ser diferente, de não pertencer ao grupo, eu detestava destoar dos outros , só queria ser como eles.”

Já li outra obra da autora emque ela trabalha uma outra estação, uma das minhas favoritas, o inverno, e maisuma vez me senti dentro dos cenários criados por ela, nesta obra pudecontemplar uma visão clara da praia , do mar, do sol e da alegria que envolviatodos na história.

O livro nos leva a um ambiente familiar, de amizade, amor e respeito, uma leitura inspiradora e motivacional até em alguns momentos, a escrita de Jenny é incrivelmente conquistadora, devorei cada capítulo ansiando por mais a  todo momento. O romance criado pela autora entre os personagens só tornava a história cada vez mais instigante.

Adorei a forma como a obra foi trabalhada, dividida em momentos atuais na casa de praia e lembranças da personagem principal de outros verões, dando uma visão clara dos acontecimentos das vidas de todos envolvidos, o drama vivido por eles me emocionou, especialmente tratando-se de algo tão delicado, me identifiquei com os jovens, com os sentimentos que a situação gerou neles, recentemente vivi algo similar e me senti exatamente como os personagens de Jenny Han.Fiquei deitada na cama, pensando que os romances de verão realmente começam e acabam rápido demais.

O livro se tornou um favorito para este ano, a edição que a editora publicou está linda, a capa possui um pequeno relevo na fonte que me lembra areia de praia, com cores vibrantes e ilustrações que remetem ao mar, uma edição linda com fonte e diagramação perfeitas.Uma das coisas que mais aprecio na escrita da autora é a forma misteriosa e de suspense que ela cria para os cenários de romance, sempre fazendo com que o leitor fique cada vez mais curioso sobre o relacionamento de Belly com seu atual namorado de verão, ou o que iria acontecer com Conrad?

Esse mistério me deixou maluca durante a leitura não vejo a hora de ler as demais obras e ver qual foi o destino deles.

Jenny Han nasceu na Virgínia, Estados Unidos, e cursou mestrado em escrita criativa pela New School. Sabe fazer um brownie perfeito, é ótima em inventar apelidos e tem paixão por livros de receitas. Sua série de TV preferida é Buffy – a caça-vampiros. Mora no Brooklyn, em Nova York.

Espero muito que tenham gostado da resenha, em breve volto aqui no blog e conto a vocês o que achei dos outros livros que compõem a trilogia, um grande beijo e até a próxima!

Original: The Summer I Turned Pretty  |Páginas: 233 | Gênero: Romance| Editora: Intrínseca |Ano: 2009/2019 |Minha Avaliação 5/5