Posts arquivados em Tag: Ficção

22 abr, 2018

Resenha Boneco De Neve – Jo Nesbo

“Boneco De Neve” é o sétimo suspense que compõe a série em que Harry Hole faz o protagonista, uma obra escrita com requinte, com uma narrativa que desperta na leitura algumas sensações e sentimentos diferenciados, meu primeiro contato com o trabalho de Nesbo foi revelador com um enredo onde vemos a perspectiva clara do personagem principal de uma forma incrível.

Sinopse: Considerado seu livro mais ambicioso pelo jornal inglês The Guardian e comparado a Silêncio dos Inocentes, de Thomas Harris, pelo The Times, Boneco de neve é o seu livro mais arrepiante.No dia da primeira neve do ano, na fria cidade de Oslo, o inspetor Harry Hole se depara com um psicopata cruel, que cria suas próprias regras; O terror se espalha pela cidade, pois um boneco de neve no jardim pode ser um aviso de que haverá uma próxima vítima. No caso mais desafiador da sua carreira, Hole se envolve em uma trama complexa e mortal, com final surpreendente.

Como não li as outras obras do autor me senti um pouco perdida em alguns momentos durante minha leitura, mais isso fica menos difícil conforme o desenrolar da trama, o livro pode ser compreendido de forma independente sem problemas.
 

“Quando cai a primeira neve, elas são assassinadas”

Harry é um investigador extremamente habilidoso mais tem muitos problemas com bebidas o que torna sua confiança vulnerável, sua família esta distante, sua vida pessoal está indo para um caminho de solidão mais ele tem o trabalho, é viciado no que faz e o faz bem.
Quando cai a primeira neve do ano em Oslo, um misterioso e cruel assassino reaparece as vítimas desse homem são marcadas com algo muito singular um boneco de neve em seus quintais ou jardins, seus alvos sempre são mulheres casadas e com filhos, o assassino não age por acaso e também não foi ao acaso que o investigador Harry Hole entrou nos casos que o envolvem, nada na obra de Jo Nesbo é por acaso isso o leitor pode apostar.
A edição do livro é linda, adorei a forma que deixaram a capa, simples mais com esse toque de cor que não é branco nem azul, ficou incrível nas fotos, o livro por dentro é muito bem distribuído a diagramação também é ótima o que faz diferença em minha opinião. A ilustração de capa também teve tudo a ver com a trama.O livro foi escrito de forma envolvente, conquista o leitor com o suspense e narrativa que surpreende em muitos quesitos, a criação de personagens fortes e marcantes foi memorável na leitura, uma das coisas que mais apreciei no trabalho desenvolvido pelo autor.

Para quem gosta de leituras do gênero como eu, não pode deixar de ler a obra, que foi escrita de forma viciante, Nesbo espalha as pistas pelos capítulos do livro o que traz a atenção do leitor em cada acontecimento.

Espero muito que vocês gostem! Um grande beijo e até a próxima!
Ficção| 420 Páginas Editora Record|Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4/5| Skoob
31 mar, 2018

Resenha – O Homem De Lata Sarah Winman

A leitura que hoje vou resenhar, foi entre tantas outras coisas difícil, mais também de certo modo reveladora, um livro escrito com uma das coisas mais importantes que podemos prezar hoje em dia a empatia, espero que gostem!

Sinopse: Em 1963, Ellis e Michael eram dois garotos de doze anos que se tornaram grandes amigos. Durante muito tempo, sempre foram apenas os dois, andando pelas ruas de Oxford, um ensinando ao outro coisas como nadar, descobrir autores e livros e a esquivar-se dos punhos de seus pais dominadores. Até que um dia algo muito maior que uma grande amizade cresce entre eles. Mas então, avançamos cerca de uma década nesta história e encontramos Ellis, agora casado com Annie, e Michael não está mais por perto. O que leva à pergunta: o que aconteceu nos anos que se seguiram? Esta é quase uma história de amor. Mas seria muito simples defini-la assim.

“O Homem De Lata” conta para nós leitores a história de vida de Ellis e Michael que se tornaram grandes amigos ainda na infância, através de suas memórias e as dos personagens que compõe esse livro embarcamos em uma narrativa complexa, mais que também tem seus lados positivos. No inicio da leitura conhecemos um pedacinho da vida de Judd a mãe de Ellis, ela esta em um bingo com seu marido Len e acaba sendo sorteada, seu prêmio era sinônimo de uma escolha, a de mudanças em sua vida naquele momento.
Ellis já é um homem formado e esta enfrentando uma fase muito dolorosa, é difícil para o leitor acompanhar tanta angustia e sofrimento vivida por esse personagem sua vida está uma desordem e seu sofrimento deixa a narrativa melancólica e complexa. Entretanto a autora nos proporcionar conhecer cada pedaço da vida deste homem para que possamos compreender sua trajetória, quando pequeno sofreu com a perca da mãe e com um pai agressivo, o que amenizou sua dor foi ter por perto Michael.
“E você meu amigo galvanizado, quer um coração. Você não sabe o quão sortudo é por não ter um. Corações nunca serão práticos enquanto não forem feitos para não se partirem…”- O Mágico de Oz
Quando conhecemos a estória de Michael e suas atitudes nos encantamos de imediato com o personagem, ele se tornou meu favorito durante a leitura, e conhece-lo foi o melhor presente que a autora poderia ter nos dado nessa narrativa. É fato que nunca tive contato com uma obra escrita da maneira como foi, em alguns momentos me sentia muito triste e desanimada com Ellis que se tornou um homem frágil e sossegado em questões importantes de sua vida, mais percebi o lado positivo da história dele com Michael, um sentimento tão forte e puro que desperta em nós enquanto espectadores a empatia.

Meu primeiro contato com o trabalho de Sarah Winman foi no minimo diferente e raro, gostei muito do livro de forma geral e acredito que o lado negativo da escrita pode ser facilmente esquecido quando se comparado a magnitude do que ela se propôs a passar.

Espero que tenham gostado da resenha, um grande beijo e até a próxima!
Romance| 160 Páginas Faro Editorial|Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 4/5| Skoob
19 mar, 2018

Resenha-O Conto Da Aia-Margaret Atwood

Um dos livros mais aguardados por mim como leitora foi o da resenha de hoje, tive a honra de conhecer o trabalho maravilhoso de Atwood e sua escrita que veio conquistando tantos corações em 2017, quando iniciei a leitura do “Conto Da Aia” estava em um período muito difícil e não consegui concluir a leitura antes da virada do ano, enfim venho contar para vocês minha experiência lendo esta obra, espero que gostem!

Sinopse: Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

“O Conto Da Aia” apresenta um ficção escrita de forma conquistadora onde após a guerra é criado uma nova sociedade em um lugar chamado Gilead conhecido como antigo Estados Unidos, nessa nova sociedade são impostas regras e leis de convívio altamente cumpridas pelos moradores do local, esses que por sua vez foram divididos, a mulheres foram classificadas como Esposas, essas são mulheres dos comandantes locais, temos as Marthas que ficaram responsáveis pela limpeza e organização das casas das Esposas, as Econoesposas que são esposas econômicas de homens sem patente que faziam todo o trabalho reservado a elas, conhecemos as Tias, mulheres severas que se responsabilizaram pelo treinamento e controle absoluto das Aias, as Aias eram mulheres que ainda tinham fertilidade e foram destinadas a reprodução local.
“Somos úteros de duas pernas, isso é tudo: receptáculos sagrados, cálices ambulantes”
Offred agora é uma aia destinada a servir em casas de família onde as mulheres não podem mais ter filhos, esse não é seu verdadeiro nome, as aias eram renomeadas, elas não tinham permissão de usar seus nomes verdadeiros, não tinha permissão de se cuidarem como mulheres, usavam um traje específico destinado a sua função e todos sabiam o que elas eram, um regime duro e cruel mais que deveria ser seguido caso ainda quisesse viver, nossa protagonista perdeu tudo que tinha sua família foi separada, tiraram lhe sua filha e afastaram seu único e verdadeiro amor.

“Um rato em um labirinto é livre para ir onde quiser, desde que permaneça nesse labirinto.”
Em Gilead as coisas tinham um jeito próprio de caminhar, as mulheres não tinham mais seus empregos, muito menos seus salários essas coisas foram as primeiras a serem tiradas, depois lhe roubaram a dignidade e liberdade de andar com cabeça erguida, de ter opinião, do livre arbítrio, elas não tinham o poder da escolha, muito menos da decisão, suas vidas foram destruídas e no lugar colocaram uma unica lei, elas agora pertenciam ao governo e seriam usadas da maneira como o Homem achasse necessário.

A leitura é extremamente delicada e te exige atenção extrema aos acontecimentos e passagens narrados pela protagonista, de forma muito detalhista a autora nos introduz no mundo de Offred e nos faz viver intensamente aquele regime, por horas fiquei refletindo sobre todos aspectos sociais que o livro abordou e a forma como tudo se desenrolou.

Toda a opressão vivida pelas mulheres da história de Margaret nos causa revolta e agonia, é angustiante ver as personagens aceitando de forma convicta sua nova condição de vida, imposta por uma sociedade machista e cruel. O livro te absorve aos poucos e quando você percebe acabou,  foi duro aceitar aquele final, não me conformei mais era a ideia da própria escritora então precisei lidar com isso.

Espero que tenham gostado, um grande beijo e até a próxima!

Ficção| 368 Páginas Editora Rocco|Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 5/5| Skoob
18 mar, 2018

Filme-A Forma Da Água-Guilherme Del Toro

Quando assistimos filmes como este, queremos falar sobre ele, contar nossa opinião, o mundo precisa conhece-lo, foi assim que pensei sobre o filme de hoje, uma linda produção com uma mensagem pura e de amor, espero que gostem!

Sinopse: Década de 60. Em meio aos grandes conflitos políticos e transformações sociais dos Estados Unidos da Guerra Fria, a muda Elisa (Sally Hawkins), zeladora em um laboratório experimental secreto do governo, se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa e maltratada no local. Para executar um arriscado e apaixonado resgate ela recorre ao melhor amigo Giles (Richard Jenkins) e à colega de turno Zelda (Octavia Spencer).

“A Forma Da Água” foi uma adaptação belíssima interpretada de maneira astuta e romântica para quem esta vendo, á algum tempo não assitia algo assim que me remetesse ao romance bom e puro, uma produção que conta  á história de uma criatura marinha e as torturas que os homens a fizeram passar, entretanto quando uma bela moça a conhece descobre na criatura algo encantador aos olhos.
Eliza Esposito é uma bela moça e possui a deficiência da fala, ficou assim quando ainda era um bebe, alguém lhe causou essa mal, já adulta trabalha em um laboratório do governo, ela é uma das muitas faxineiras do local, Eliza possui um rotina apresentada a nós logo no inicio do filme, ela também tem um grande amigo e vizinho Giles, ele é o tipo de pessoa que você quer ter por perto dono de uma talento incrível e apaixonado pelo próprio sexo, o que era considerado naquela época algo perverso e desrespeitoso, no laboratório nossa protagonista tem uma amiga muito especial que sempre esta disposta a ajuda-la, Zelda é o tipo de amiga que Eliza precisa sempre a traduz para os demais e gosta de jovem como uma verdadeira irmã.
Mais um dia de trabalho para as moças dessa história e tudo vai indo como de costume até que os cientistas do lugar recebem a noticia da chegada de uma nova cobaia, até ai tudo bem, o que não poderíamos imaginar é que Eliza se apaixonaria pela criatura, esse ser diferente e aquático viu nela tudo que ela desejou ao contrário dos homens que a cercavam que apenas enxergavam sua deficiência.
Confesso a vocês que o filme me surpreendeu em muitos aspectos fora o romance e aceitação das diferenças que hoje em dia prezamos muito, a caracterização e interpretação dos personagens me conquistou profundamente, uma belíssima produção que eu precisava indicar a vocês, estou louca para ler o livro e saber mais detalhes sobre essa história, espero que tenham gostado, um grande beijo e até a próxima!
28 jan, 2018

Resenha As Perguntas Antônio Xerxeneski

Gosto muito de ficção, boa parte das minhas leituras possuem esse gênero, só que no caso deste livro eu senti muito a realidade mesmo, a obra é nacional e cenários foram descritos de acordo com o local onde o autor vive então acredite que esse seja o motivo dessa relação próxima com a realidade.

Sinopse: Alina enxerga sombras e vultos desde criança. Doutoranda em história das religiões, especializada em tradições ocultistas e aferrada à racionalidade que tudo ilumina, ela se acostumou a considerar as aparições como simples vestígios de sonhos interrompidos. Certo dia, um telefonema da delegacia desarruma sua rotina de tédio programado. A polícia suspeita de que uma seita vem causando uma onda de surtos psicóticos em São Paulo. A única pista disponível é um símbolo geométrico desenhado por uma das vítimas. Intrigada e ansiosa para fugir da rotina, Alina decide investigar por conta própria um mistério que a fará questionar os limites entre razão e religião, cultura e crença. Em ‘As perguntas’, Antonio Xerxenesky costura o tédio da vida cotidiana com o desconforto do horror em um livro repleto de referências ao universo dos filmes, da música e do ocultismo.

Alina desde pequena tem sonhos muito reais aos quais vê sombras, mesmo depois de acordada elas permanecem ali no pé de sua cama, em muitas noites ela acordou seus pais com gritos devido a estes pesadelos e seus pais diziam a ela que a mente humana é capaz de pregar peças na gente, com o passar do tempo ela deixou de contar o que via já mais velha deixou isso de lado porém não era feliz com a vida que levava, formada em história e especializada em estudos religiosos Alina trabalhava como editora de vídeo em uma empresa na grande São Paulo e sua vida era uma monotonia de dar pena.
Quando recebeu um chamado para ir até a delegacia local ficou surpresa e muito curiosa pra saber do que se tratava, quando chegou no local a delegada sutilmente disse que precisava da ajuda de Alina pois ela foi indicada por um antigo professor, até então a jovem editora não sabia do que se tratava e nem em como poderia ajudar até que a delegada abriu o jogo e lhe mostrou um símbolo, mesmo não sabendo o significado daquele símbolo Alina de alguma forma soube que seu passado voltou a assombra-la e ficou intrigada em descobrir os significado de tudo aquilo.
“As Perguntas” foi uma leitura extremamente intensa, intrigante e cheia de suspense, o autor conseguiu me deixar realmente na dúvida sobre muitas das coisas relacionadas a religião, através do livro conhecemos um pouco da história de Alina, uma jovem cética que tem visões assustadoras, trabalha em um local em que não gosta e que derrepente vê sua rotina transformada com a possível formação de uma ceita onde crimes de ocultismos estão acontecendo. Adorei a criatividade e perspicácia na construção dessa história, o título do livro tem tudo a ver com as sensação imposta pela leitura quando a concluímos e isso me deixou fascinada.
O livro é curto mais seu conteúdo é muito mais amplo do que podemos imaginar, o autor escreveu de forma simples e trouxe referências muito fortes de filmes, culturas entres outras coisas em sua história, existe também a parte do terror psicológico colocada de forma bem leve e sutil, adorei a oportunidade de conhecer a escrita do autor.
Espero que tenham gostado, um grande beijo e até a próxima!
Ficção| 184 Páginas Editora Companhia das letras
|Compare & Compre: •Amazon| Classificação: 4/5| Skoob
07 dez, 2017

Resenha Depois Daquela Montanha Charles Martin

“Depois Daquela Montanha” foi uma leitura sobre superação, momentos difíceis, sobre esperança entre outras coisas, uma escrita instigante e motivadora, de forma fluída acompanhamos a trajetória de sobrevivência dos personagens.

Sinopse: O Dr. Ben Payne acordou na neve. Flocos sobre os cílios. Vento cortante na pele. Dor aguda nas costelas toda vez que respirava fundo.Teve flashes do que havia acontecido. Luzes piscavam no painel do avião. Ele estava conversando com o piloto. O piloto. Ataque cardíaco, sem dúvida. Mas havia uma mulher também – Ashley, ele se lembra. Encontrou-a. Ombro deslocado. Perna quebrada.Agora eles estão sozinhos, isolados a quase 3.500 metros de altitude, numa extensa área de floresta coberta por quilômetros de neve. Como sair dali e, ainda mais complicado, como tirar Ashley daquele lugar sem agravar seu estado?À medida que os dias passam, porém, vai ficando claro que, se Ben cuida das feridas físicas de Ashley, é ela quem revigora o coração dele. Cada vez mais um se torna o grande apoio e a maior motivação do outro. E, se há dúvidas de que possam sobreviver, uma certeza eles têm: nada jamais será igual em suas vidas.

Ben Payne é médico e esta voltando de um congresso, no aeroporto ele descobre que está chegando uma grande tempestade e isso atrasará seu voo, lá ele acaba conhecendo a jornalista Ashley que também terá o voo atrasado prejudicando toda sua agenda. Ben consegue então fretar um avião e decide convidar Ashley para ir junto, o que ambos não imaginavam era o terrível pouso forçado que teriam que fazer no meio da neve.

Quando saíram de Salt Lake City o senhor Grover e seu cão estavam no comando do avião, tudo caminhava bem e conseguiriam chegar antes da tempestade atingi-los, entretanto ele sofreu uma forte dor no peito e teve que pousar o avião as pressas, onde estavam era praticamente impossível chegar ajuda foi ai que começou uma jornada pela sobrevivência que esses passageiros jamais imaginarão enfrentar.

Ashley não podia andar devido a uma forte lesão na na perna, Ben e o cão também sobreviveram e teriam que se unir pra conseguirem sair daquele lugar, em meia a tudo que estava acontecendo eles inciaram uma trajetória de reflexão, de superação e de esperança.

Depois Daquela Montanha é um livro de autoconhecimento, que nos remete a reflexões de sabedoria e luta, a leitura nos emociona com sua narrativa e escrita, as emoções e experiências vividas pelos personagens tornaram a história em muitos momentos inspiradora, adorei ter a oportunidade de ler a obra e confesso que me surpreendi em muitos aspectos.
Espero que tenham gostado um grande beijo e até a próxima!

Ficção| 304 Páginas | Skoob | Editora Arqueiro
|Compare & Compre:•Amazon| Classificação: 4/5
25 ago, 2017

Resenha O Vespeiro Kenneth Oppel

Sou apaixonada por fantasias e como imaginei simplesmente adorei a leitura de O vespeiro, uma obra singular e muito envolvente, que aborda assuntos importantes que devemos nos atentar sempre que possível.

Sinopse: O celebrado autor Kenneth Oppel cria uma obra-prima que explora a diversidade e as deficiências, os medos e os sonhos e o que realmente une uma família. Algumas crianças veem o verão como um tempo de alegria e brincadeiras. Mas para Steve é apenas mais um período de preocupação e ansiedade. Seu irmão recém-nascido está lutando pela vida… E ninguém sabe se ele conseguirá vencer essa batalha. Como seus pais ficarão se o pior acontecer? Além de tudo, ainda há um vespeiro no telhado de sua casa… Ele é alérgico! Quando uma vespa-rainha invade seus sonhos com uma solução para todos os problemas, Steve acha que tudo se resolverá, ele só precisa dizer sim. Mas sim é uma palavra muito poderosa… Será possível voltar atrás?

Steve é um jovem muito perceptivo e sofre de alguns transtornos, em um momento muito difícil para sua família o menino se vê preso e confuso em relação a muitas coisas, seu mais novo irmão Theodore está muito doente, e essa doença pode até mata-lo, devido a isso todos estão muito aflitos com a condição delicada do bebê e os pais concentram toda a energia em cura-lo, Steve vê o sofrimento diários de seus pais e sofre por não poder ajudar como gostaria.

O lugar onde vivem é cheio de vespas, a casa do jovem em especifico tem um vespeiro, bem abaixo do beiral do quarto do bebê e isso o incomoda bastante, ainda mais depois que levou uma picada e descobriu ser alérgico as vespas, após o ocorrido os sonhos de Steve mudaram um pouco, antes ele só via um vulto preto no pé de sua cama, agora ele sonha estar dentro do vespeiro e fala com a rainha das vespas, ela diz a Steve que estão trabalhando na cura do bebê e isso o enche de esperança, após alguns sonhos com a rainha ele precisa dizer sim para que tudo ocorra bem com Theodore, mais o menino não imagina o significado dessa palavra e tudo que ela carrega consigo.

Quando descobre a verdadeira intenção da rainha das vespas o jovem trava uma luta contra ela e suas criações, será muito difícil para ele lidar com toda essas situações mais o amor se encarregará do resto.

“O Vespeiro” é sem dúvida uma leitura para crianças e adultos realizarem, existe um mistério por traz de toda a narrativa e isso cativa o leitor, adorei conhecer o trabalho de Oppel, com uma escrita leve, simples e envolvente me conquistou! Espero que tenham gostado um grande beijo e até a próxima!
Romance| 432 Páginas Editora Galera Record|
Compare & Compre: •Amazon| Classificação: 4/5| Skoob
01 jul, 2017

Resenha Radiante Alyson Noel

Hoje trouxe mais uma resenha de um livro encantador, que adorei ler, não conhecia a autora mais já me encantei pela sua escrita e criatividade e já quero ler mais livros dela. Espero que gostem!

Sinopse: Algum tempo após o acidente de carro que a matou, Riley Bloom deixou sua irmã, Ever, no mundo que conhecemos e atravessou a ponte da vida após a morte até um lugar chamado Aqui, onde o tempo é sempre Agora. Riley reencontrou os pais, também vítimas do desastre, e Buttercup, o cão da família. Todos estavam se adaptando a uma morte boa e tranquila, até que ela foi chamada perante o Conselho e um segredo lhe foi revelado: a pós-vida não significa simplesmente uma eternidade de lazer. Riley tem tarefas a realizar. Ela é designada como Apanhadora de Almas, e Bodhi, um garoto diferente, que ela não consegue decifrar muito bem, é seu guia.Riley, Bodhi e Buttercup voltam à Terra para sua primeira tarefa: fazer o Menino Radiante, que há anos assombra um castelo na Inglaterra, atravessar a ponte. Muitos Apanhadores de Almas já tentaram convencê-lo e não obtiveram sucesso. Mas isso foi antes que o menino conhecesse Riley.

Riley morreu muito cedo ao doze anos, e carregava um sentimento de injustiça cometida contra ela, não entendia o porque morreu tão nova e tudo estava confuso demais, o bom de ter morrido é que além do fato de não estar mais no plano terreno, tudo era exatamente igual até seu cachorro um labrador chamado Buttercup que a acompanhava por todos os lados, e tudo que ela queria se materializava facilmente então essa era a vantagem, porém no seu primeiro dia de aula no (Aqui & Agora lugar onde as pessoas mortas viviam) foi bem difícil, ela descobriu que todos podiam escutar o que ela pensava, e isso a deixou desconfortável, ela também foi levada a uma suposta corte onde decidiram através de uma análise de sua vida, que ela deveria ser uma apanhadora de alma, o que a deixou mais confusa ainda, porém animada porque ficou sabendo que essa função significava que ela poderia voltar ao plano terreno.
O que a jovem Riley não imaginava é que o seu guia, professor ou como quiserem chama-lo era nada mais nada menos do que um nerd que conhecerá antes da corte chama-la, seu nome era Bodhi e ele estaria no seu pé o tempo todo, pois sua função era ensina-la a melhorar e prosperar em sua difícil tarefa na terra. Juntos eles iniciam seu primeiro trabalho, levar o menino radiante até a ponte para que ele deixe o plano terreno e possa ter outras oportunidades no Aqui&Agora.
Com uma proposta diferente a autora cria uma história incrível sobre o que supostamente acontece após morrermos e simplesmente amei a maneira leve como ela conduz toda a história e como foi criativa com os personagens, não vejo a hora de ler a continuação, espero que tenham gostado um grande beijo e até a próxima!
Ficção| 174 Páginas Editora Intriseca|Compare & Compre: Submarino • Saraiva •Amazon|  Classificação: 5/5Skoob 
17 set, 2015

Resenha A Rainha Vermelha Victoria Aveyard

Imaginem uma leitura que irar tirar seu fôlego, uma leitura da qual você se sentirá parte, foi assim que me senti lendo “A Rainha Vermelha” uma aventura, com momentos eletrizantes onde a autora trabalhou tão bem que me senti dentro do livro.

Uma sociedades dividida pelo sangue, um jogo definido pelo poder!

Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses. Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho? Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe – e Mare contra seu próprio coração

Mare é uma jovem de 18 anos e ela rouba das pessoas para sobreviver, ela vive em Palafitas em um lugar chamado Norta, um dia em suas andanças pelo local ela acaba encontrando uma rapaz que lhe oferece um emprego no palácio do rei.

O lugar onde Mare vive é dividido por pessoas vermelhas e os nobre prateados, teoricamente os prateados possuem poderes, algum tipo de força na maioria das vezes ligada a natureza, já os vermelhos não possuem e são considerados uma classe inferior, os trabalhadores no caso. Entretanto no dia em em a jovem começa seus trabalhos no palácio essa visão muda completamente.

Mare se envolve em problemas em seu primeiro dias como empregada, e no meio dessa confusão descobre possuir poderes mesmo sendo uma vermelha e isso acontece no meio de muitos prateados o que gera um alarde gigantesco. Para disfarçar toda a confusão o rei se pronuncia dizendo que Mare é filha de um nobre, mentindo para a população.

Um grande conflito se inicia na vida da jovem, e ela terá que lidar com manipulações, intrigas e terá que lutar pelo seu povo os vermelhos com toda sua força e poder.

“A Rainha Vermelha” é um livro eletrizante que te pega do inicio ao fim, uma leitura fluída e rápida repleta de acontecimentos, e que na minha opinião merecia adaptações para o cinema. Uma aventura em que a autora trabalha cenários e acontecimentos rápidos até, mais que tornam o livro único e cumpre muito bem seu propósito.

O livro é contado através da visão da protagonista e se torna cada vez mais empolgante a cada capítulo, cheio de situações que tiram nosso fôlego a obra é ótima para quem esta em busca de uma leitura rápida e chamativa.

Espero muito que tenham gostado, e em breve trago resenha da continuação dessa história, beijos!

Título Original: A Rainha Vermelha|Gênero: Fantasia|Páginas:422|
Editora: Seguinte|Minha Avaliação: 5/5