Posts arquivados em Tag: Resenhas

17 mar, 2019

[Resenha] Praia De Manhattan @intrínseca

“Praia De Manhattan” foi uma leitura que me deixou reflexiva sobre diversas questões, uma das mais importantes foi a criatividade da autora em criar um romance histórico tão centrado em seus personagens como nunca havia lido antes. Impactada ainda estou com o livro e tudo que ele representa, sua singularidade é admirável!



Sinopse: Tributo à tradição dos grandes romances americanos, o novo livro da vencedora do Prêmio Pulitzer acompanha Anna Kerrigan e Dexter Styles em um universo noir povoado por gângsteres, mergulhadores e banqueiros durante os tempestuosos anos 1940.Com quase 12 anos, Anna acompanha o pai à casa de Styles, uma figura enigmática que pode ser crucial para a sobrevivência de sua família. Durante a visita, ela fica completamente hipnotizada pelo mar em volta da construção e pelo mistério que ronda a relação entre os dois homens. Anos depois, o pai de Anna desaparece. Já adulta, ela se torna a primeira mulher mergulhadora e conserta os navios que vão ajudar o país durante a Segunda Guerra Mundial. É nesse cenário que, em uma noite de folga, reencontra Styles em uma boate. Certa de que ele pode ajudar a desvendar os segredos que envolvem a história do pai, Anna inicia uma relação tão improvável quanto perigosa.

Anna Kerrigan é uma criança peculiar, não tão bonita como sua irmã porém esperta e observadora como ninguém, ela vive uma infância centrada em seus relacionamentos familiares. Seu pai é um homem forte e transmite para a jovem menina uma segurança absurda de mundo, sua relação com ele é doce, sincera e de muito afeto. Em casa Anna tem uma outra pessoa importante, sua irmã, Lydia sofre de uma doença que não a permite, andar, falar, comer ou fazer qualquer outra coisa sozinha, mesmo assim é dona de uma beleza que faz brilhar os olhos de quem a vê.

Junto de sua mãe elas cuidam de Lydia com todo amor e afeto que se é possível, o momento mais íntimo entre as três mulheres daquela casa é quando o pai não está presente e elas podem dançar e sentir as ondas sonoras adentrarem suas almas. Geralmente após fazerem isso dão banho em Lydia para aliviar as tensões e dores que a pobre menina sente. Lavam seu cabelo com o mais cheiroso dos shampoos e mimam a pequena o máximo que podem.

Anna tem uma rotina da qual gosta muito, ela sempre está junto do pai em suas saídas a trabalho, ela é sua companheira e isso os unem muito, os passeios com o pai são os melhores e ela não abre mão de estar ao seu lado. Em um desses passeios as coisas mudam, e a jovem talvez muito tarde saberia o porque.

“Elas são bem mais fortes do que nós-ouviu-o dizer ao pai.-Por sorte nossa, não sabem disso” Página 17.

A obra foi ambientada em um período de crise, para muitas famílias em Nova York, a decadência de uma era, graças a quebra da bolsa de valores, para a família de Anna não foi diferente as dificuldades enfrentadas pela crise fizeram seu pai tomar uma decisão que permitiria a sobrevivência de todos.

“Só dói no começo-respondeu ela-Depois de um tempo, você não sente mais nada.” Página 16

A escrita de Jennifer Egan se intercala com a narrativa da jovem Anna e de seu pai, aos poucos o leitor também tem deslumbres de outros personagens narrando a história que compõem o romance, e essa escolha de escrita feita pela autora fez total diferença durante a leitura. Meu primeiro contato com seu trabalho foi absurdamente revelador e instigante, a forma como ela descreve cada acontecimento em seu livro nos faz adentrar aqueles cenários como se fossemos parte dele, entretanto somente como observadores dos fatos sem interferências maiores.

Inicialmente a obra de Egan é um total mistério, passagens desconhecidas ao leitor, até que a autora começa revelar de forma mais clara os conflitos que cercam seus personagens, as questões envolvendo o pai de Anna e sobre como ele decidiu salvar sua família da miséria também é colocada de forma misteriosa ao leitor o que torna o livro cada vez mais interessante. Após alguns anos podemos acompanhar a trajetória que Anna deu a sua vida, já mais velha e empregada em um uma função nada convencional, ela trabalha no arsenal da marinha e continua sendo a mesma jovem sonhadora que foi na infância. Mesmo ainda nutrindo sonhos como quando criança Anna se torna a responsável pelo sustento de sua família, após o pai ter desaparecido, aos poucos ela vai se desenvolvendo na marinha e sobe de cargo.

“As vezes é mais dificil pedir a Deus alguma coisa para si mesmo.”

Após muitos anos a jovem não desistiu de achar seu pai, e entre as responsabilidades do trabalho e família ela investiga paralelamente o seu sumiço, Anna acaba descobrindo que ele estava envolvido com um mafioso chamado Dexter Styles, essa descoberta é um choque para a jovem que constatou o envolvimento do pai com crime.

A obra é um misto de crise financeira e guerra, conhecemos um pouco daquele período e temos como pano de fundo uma época de corrupção, mafiosos, gangsters e ilegalidade. O livro possui quase 500 páginas em alguns momentos a leitura torna-se meio lenta o que foi um pouco difícil de lidar, fora isso a autora entrega um trabalho digno muito bem realizado que me agradou muito.

Jennifer Egan é uma escritora reveladora, criativa, inteligente, e consegue ligar seus personagens com os fatos e circunstâncias que propõem em sua obra, uma característica admirável, a edição lançada pela editora Intrínseca é muito bonita, adorei a capa do livro que já remete um pouco do que ele irá contar. O livro levanta algumas questões importantes atualmente e que devem ser debatidas de forma mais profunda, isso também provoca algumas reflexões sobre essas questões o que coloca o leitor para pensar.

Enfim a obra vale ser lida e conhecida, recomendo para os que procuram algo criativo e instigante, com personagens sólidos e histórias reveladoras.

Espero muito que tenham gostado!

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New Yorker, Harper's Magazine, Granta, GQ, Zoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New YorkerHarper’s MagazineGrantaGQZoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Xoxo.
Título Original: Manhattan Beach|Páginas: 446|Gênero: Romance|Editora: Intrínseca |Minha Avaliação: 5/5 |Comprar: Amazon


02 mar, 2019

[Resenha] O Verão Que Mudou Minha Vida-Jenny Han @intrínseca

O verão nunca foi minha estação preferida, até o momento minha visão sobre ele era de desconforto, mais Jenny Han com toda sua experiência e criatividade despertou um sentimento adormecido em mim há muito tempo. Fique menos frustada com o calor e senti aquele sensação de aconchego novamente lendo a obra “O verão que mudou minha vida”. o livro pode ser inicialmente descrito como reconfortante e alegre o que já nos desperta para uma história linda!

Sinopse: A vida de Isabel Conklin é marcada pelas férias de verão. As outras estações do ano são como um intervalo, dias que passam lentamente enquanto ela espera que o sol lhe traga de volta o que mais ama: o mar, descanso, diversão e, principalmente, Conrad e Jeremiah Fisher. Os garotos da família Fisher sempre estiveram ao lado de Belly em suas aventuras. Conrad é ousado, sombrio, inteligente. Já Jeremiah, é confiável, engraçado, espontâneo. Mesmo sendo tão diferentes, os três constroem uma amizade que parece inabalável. Apenas parece… Tudo muda quando, em uma dessas férias, Conrad demonstra sentir algo por ela. O problema é que Jeremiah faz o mesmo. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e encarar o inevitável: ela vai partir o coração de um deles. Na trilogia Verão, acompanhamos Belly dos 15 aos 24 anos. Em meio a descobertas e mudanças, ela se apaixona, se envolve em um triângulo amoroso, entra na universidade e descobre que amadurecer também significa tomar decisões difíceis. Primeiros romances jovens de Jenny Han, os três livros são agora relançados pela Intrínseca, com novas capas e traduções inéditas. Skoob

“Belly” é uma jovem sonhadora com algumas paixões, na verdade são quatro ao todo, o verão, a casa de praia e o que vinha com ela, Jeremiah e Conrad, amigos desde pequenos, ela contava os dias e as horas quando verão se aproximava porque sabia para onde iriam e quem iria encontrar, quando já estavam na estrada e sua mãe dormindo no banco traseiro do carro enquanto Steve dirigia, Belly já imaginava como seria este verão e que muitas coisas tinham mudado inclusive ela tinha mudado e muito.

Elas eram tão familiares para mim quanto as que ouvia em casa, por isso sentia como se ja tivesse chegado ao nosso destino.

“Steven” era o irmão mais velho de Belly e vivia implicando com a jovem, neste inicio de verão não foi diferente mais com o passar dos dias na casa de praia as coisas ficaram estranhas e isso deixou Steven confuso, ele sempre foi muito amigo dos meninos Jeremiah e Conrad, neste ano em particular ele iria embora mais cedo, para visitar universidades com seu pai, como disse muitas coisas mudaram.

A casa de praia não era chique, era normal, habitável e confortável- com sofás de estofados velhos e desbotados e uma poltrona reclinável- eu e os meninos sempre brigávamos para ver quem ia se sentar nela.

“Jeremiah e Conrad” são unidos até certo ponto como irmãos e a vida dos dois esta uma verdadeira bagunça, eles tinham crescido assim como Steven e Belly, amadureceram mais algumas coisas na fase adulta machucavam demais, e os dois estavam passando por coisas deste tipo, Jeremiah sempre foi o mais divertido e alegre sempre fazendo piada de tudo e Steven ia na onda do amigo, o alvo sempre foi Belly desde pequena ela sofria com as brincadeiras dos dois. Conrad era mais reservado mais inteligente e esperto, porém não deixava de participar das algazarras de verão com seus amigos e se isso incluía zombar da irmã mais nova de Steven então que seja.

“Belly” sempre foi mais próxima de Jeremiah, eles tinham uma conexão diferente dos outros, eram amigos de verdade e não tinham segredos, a mãe dos meninos a adorava, Susannah era a melhor amiga da mãe de Belly e sempre se encontravam no verão para unir as “crianças” e se unirem na estação mais intensa do ano. Susannah nutria um amor de mãe por Belly dizia que a jovem era sua filha postiça e torcia para que ela ficasse com um de seus filhos, no fundo sabia que a doce menina gostava de Conrad desde sempre.

Este ano na casa de praia as coisas estavam diferentes, no inicio Belly não notou nada estranho, mais com o passar dos dias foi percebendo o quanto tinham mudado, todos eles, Steven menos que os outros ele ainda era o irmão chato e implicante, um pouco mais velho mais ainda era o Steven, Jeremiah ainda era divertido e alegre mais de forma diferente, já Conrad estava completamente sombrio e distante e quando as coisas ficaram complicadas ele só piorou tudo. O que Belly não sabia era o motivo de toda aquela mudança e isso a entristeceu e muito.Eu continuava sentindo exatamente a mesma coisa.

“Era como se eu estivesse no topo de uma montanha-russa, prestes a despencar”

Bells era uma menina meiga, delicada que passou a vida tentando se encaixar no grupo da casa de praia, sempre deixada de escanteio pelos meninos, ela ficavam chateada com a indiferença deles em muitos aspectos, mais como tudo na vida passa neste verão ela estava mais madura, mais bonita, com o corpo diferente, já tinha quase 16 anos e isso fez com que eles a vissem de outro jeito, demorou mais Belly conquistou a atenção do garotos e isso mudou sua vida.

” O que eu detestava era a sensação de ser diferente, de não pertencer ao grupo, eu detestava destoar dos outros , só queria ser como eles.”

Já li outra obra da autora emque ela trabalha uma outra estação, uma das minhas favoritas, o inverno, e maisuma vez me senti dentro dos cenários criados por ela, nesta obra pudecontemplar uma visão clara da praia , do mar, do sol e da alegria que envolviatodos na história.

O livro nos leva a um ambiente familiar, de amizade, amor e respeito, uma leitura inspiradora e motivacional até em alguns momentos, a escrita de Jenny é incrivelmente conquistadora, devorei cada capítulo ansiando por mais a  todo momento. O romance criado pela autora entre os personagens só tornava a história cada vez mais instigante.

Adorei a forma como a obra foi trabalhada, dividida em momentos atuais na casa de praia e lembranças da personagem principal de outros verões, dando uma visão clara dos acontecimentos das vidas de todos envolvidos, o drama vivido por eles me emocionou, especialmente tratando-se de algo tão delicado, me identifiquei com os jovens, com os sentimentos que a situação gerou neles, recentemente vivi algo similar e me senti exatamente como os personagens de Jenny Han.Fiquei deitada na cama, pensando que os romances de verão realmente começam e acabam rápido demais.

O livro se tornou um favorito para este ano, a edição que a editora publicou está linda, a capa possui um pequeno relevo na fonte que me lembra areia de praia, com cores vibrantes e ilustrações que remetem ao mar, uma edição linda com fonte e diagramação perfeitas.Uma das coisas que mais aprecio na escrita da autora é a forma misteriosa e de suspense que ela cria para os cenários de romance, sempre fazendo com que o leitor fique cada vez mais curioso sobre o relacionamento de Belly com seu atual namorado de verão, ou o que iria acontecer com Conrad?

Esse mistério me deixou maluca durante a leitura não vejo a hora de ler as demais obras e ver qual foi o destino deles.

Jenny Han nasceu na Virgínia, Estados Unidos, e cursou mestrado em escrita criativa pela New School. Sabe fazer um brownie perfeito, é ótima em inventar apelidos e tem paixão por livros de receitas. Sua série de TV preferida é Buffy – a caça-vampiros. Mora no Brooklyn, em Nova York.

Espero muito que tenham gostado da resenha, em breve volto aqui no blog e conto a vocês o que achei dos outros livros que compõem a trilogia, um grande beijo e até a próxima!

Original: The Summer I Turned Pretty  |Páginas: 233 | Gênero: Romance| Editora: Intrínseca |Ano: 2009/2019 |Minha Avaliação 5/5

19 fev, 2019

[Resenha] A Sociedade Secreta-Catia Mourão @lereditorial

A leitura é algo que nos edifica, nos transforma e nos ajuda a compreender melhor o mundo em que vivemos, não importa o gênero que você escolher, o que importa é a atitude de realizar tal ato, infelizmente nos dias de hoje este tipo de coisa se tornou banalizado, há muito tempo não lia uma obra do gênero erótico e confesso a vocês que adorei a experiência mais uma vez, mesmo que rara em meu cotidiano é um tipo de leitura que nos prende e nos distrai dos problemas do dia a dia e como eu disse sempre existem lições nas obras que lemos, com “A sociedade secreta” não foi diferente, espero que gostem da resenha!

Sinopse:Você não vai resistir ao convite para integrar esta Sociedade!
E se você soubesse que existe um lugar onde pode realizar todas as suas fantasias, mesmo aquelas imensuráveis? Onde é possível testar seus limites e ir além, sem correr o risco de se expor ou ter sua identidade revelada? Conheça os anseios por trás da sobriedade da Senhora V. Esposa e mãe dedicada, ela se revelará uma mulher insatisfeita com a vida conjugal, que já dura mais de uma década, e encontrará no Senhor P, um empresário charmoso e bem sucedido, a chance de realizar seus sonhos mais loucos, dentro de uma sociedade secreta. Mas será que a relação entre eles se resume apenas a uma aventura sensual? Desvende a intimidade do Senhor F, um homem de comportamento questionável, que não esconde sua necessidade de fugir do comum em busca de satisfazer seus gostos peculiares. Casado com a Senhora V, ele mantém uma vida dupla através da Sociedade, onde a entrega aos prazeres do sexo não conhece limites. Surpreenda-se ao conhecer a vida da misteriosa Senhorita M. Sob a máscara de mulher independente, avessa a relacionamentos e interessada apenas nos prazeres proporcionados pelo sexo sem compromisso, esconde-se uma jovem dividida entre seu desejo de liberdade e a necessidade de se adequar às regras sociais impostas pela carreira política do pai. Com um desfecho surpreendente, essa trama levará o leitor por uma viagem que vai muito além do erotismo. Você vai acompanhar a história dos personagens, vivenciar suas aventuras, conhecer suas motivações e ser impactado pelas consequências de seus atos, indo aos limites extremos da paixão. Entre no mundo de A Sociedade Secreta e participe dessa dança erótica de prazer sem inibição.

Senhora V é uma mulher que aos olhos da sociedade possui uma vida perfeita, um ótimo marido, um filho, uma casa deslumbrante e um estilo que muitos invejam, casada com o Senhor F e mãe do Cris ela se vê em uma rotina de esposa rica e bem sucedida, mais como nem tudo são flores seu relacionamento com o marido é muito complicado.

Após casar-se o Senhor F progrediu muito em sua carreira, o que o possibilitou dar uma vida de luxo para sua família, entretanto sua vida é muito intensa, muito trabalho, reuniões até tarde e ele nunca está presente em casa, o que torna seu relacionamento com a Senhora V cada vez mais distante.

A vida desse casal está cheia de barreiras que os impedem de se relacionarem, quando as traições do Senhor F ficam nítidas e de costume para sua esposa as coisas se complicam um pouco mais. Ela cansada de sua vida parada e sem sentido desabafa com uma amiga sobre tudo que está acontecendo em seu casamento. A Senhora J é uma mulher vivida e cheia de experiência da mesma classe social que sua amiga e possui alguns conselhos e dicas para a Senhora V.

Neste momento conhecemos “A Sociedade Secreta” um lugar requintado frequentado por pessoas como a Senhora V e a Senhora J e muitos homens da mesma classe social, ali os prazeres mais intensos são permitidos e todos os membros se realizam de formas extraordinárias, claro que com algumas regras básicas a serem seguidas.

A leitura nos apresenta mais personagens interessantes e curiosos todos se mesclam com o enredo composto pela autora cativando a atenção do leitor e o deixando cada vez mais instigado com os desfechos dessa história.
“A Sociedade Secreta” é o primeiro livro da série que a autora Catia Mourão criou, lançado em 2018 pela Ler Editorial nova parceria aqui do blog, a obra me proporcionou um momento bom de descontração, este meu primeiro contato com a escrita da autora foi incrível e despertou em mim como leitora uma curiosidade absurda.

Como mencionei no inicio dessa resenha já tem um bom tempo que não leio obras desse gênero, o último foi Grey e nunca mais tive a oportunidade de ler nada tipo, confesso que ainda gosto de leituras assim e mesmo com todo preconceito envolvendo essa questão, acredito que toda leitura é válida e nos estimula a pensar.

Os personagens criados pela autora possuem características específicas e ela trabalhou cada história sobre eles de forma individual e singular, uma das coisas que mais gostei foi a conexão feita por Catia entre esses personagens todos se interligavam de forma curiosa. Mesmo não se aprofundando muito nas vidas de seus personagens ela conseguiu despertar um interesse individual por cada um deles o que tornou a leitura cada vez mais fluída.

A escrita de Catia é simples de fácil entendimento e mesmo sendo um livro erótico e de ficção a autora vai muito além com exemplos de situações que facilmente presenciamos em nossa realidade, essa foi outra característica sobre a obra que me agradou muito. O final da leitura foi surpreendente outro ponto a ser discutido, durante todo o tempo eu tinha um final claro em mente para o livro e a autora mudou completamente minha visão.

Por fim se você gosto de livros hot e quer conhecer uma obra bem escrita, com personagens que nos prende essa dica é muito válida, espero que tenham gostado da resenha!

Xoxo

Catia Mourão é brasileira e vive no Rio de Janeiro.
É membro do Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Buenos Aires, e do Núcleo Acadêmico de Letras e artes de Lisboa.
Em 2015, a autora foi agraciada com a Comenda Leonardo da Vinci e imortalizada na Enciclopedia di Grandi Artisti, publicada simultaneamente no Brasil e na Itália, com uma página dedicada exclusivamente a sua obra, e integrou o grupo de autores brasileiros convidados a participar da 41ª Feira do Livro de Buenos Aires, no estande oficial do Brasil. Ainda menina, descobriu sua paixão pela literatura. Em 1997 escreveu seu primeiro livro, a novela romântica Elos do Destino, que foi reeditada em 2015 pela Ler Editorial e recentemente adaptada para roteiro cinematográfico. Catia também é autora da saga sobrenatural Mais Além da Escuridão, que já conta com três volumes publicados, além de um Spin Off, e da coletânea Contos e Poemas Góticos de Carlie Marie.

Título: A Sociedade Secreta|Páginas: 308|E-book|Gênero: Ficção Erótico|Editora:Ler Editorial|Skoob Comprar:Amazon|Minha Avaliação: 4/5
05 fev, 2019

[Resenha] Mitologia Nórdica – Neil Gaiman @intrínseca

“Prepare-se para uma jornada que o levará da origem do universo até o fim do mundo”
 
Minha primeira experiência com Neil Gaiman não poderia ter sido mais significativa, uma leitura leve, descontraída, sobre um conteúdo curioso e diferente de tudo que ja tinha lido até o momento. Mitologia é algo que desconhecia profundamente, me lembrava vagamente do termo apenas isso, e neste livro magnifico me surpreendi e me apaixonei pela coisa toda logo de inicio. Espero que apreciem a resenha assim como eu apreciei cada pedacinho dessa leitura.

“Antes do princípio não havia nada – nem terra, nem paraíso, nem estrelas, nem céu – existia apenas o mundo feito de névoa, sem forma nem contorno, e o mundo feio de fogo, eternamente em chamas.” Pág 27.

 
Sinopse: Neil Gaiman tem sido inspirado pela mitologia antiga na criação dos reinos fantásticos de sua ficção. Agora ele volta sua atenção para a fonte, apresentando uma versão bravura das grandes histórias do norte. Na mitologia nórdica, Gaiman permanece fiel aos mitos ao prever o maior panteão dos deuses nórdicos: Odin, o mais alto dos altos, sábios, ousados ​​e astutos; Thor, filho de Odin, incrivelmente forte, mas não o mais sábio dos deuses; E Loki-filho de um irmão de sangue gigante para Odin e um malandro e insuperável manipulador. Gaiman modela essas histórias primitivas em um arco romântico que começa com a gênese dos nove mundos lendários e mergulha nas façanhas de deidades, anões e gigantes. Uma vez, quando o martelo de Thor é roubado, Thor deve disfarçar-se como uma mulher – difícil com sua barba e enorme apetite – para roubá-lo de volta. Mais pungente é o conto em que o sangue de Kvasir – o mais sagaz dos deuses – se transforma em um hidromel que infunde bebedores com poesia. O trabalho culmina em Ragnarok, o crepúsculo dos deuses e o renascimento de um novo tempo e de pessoas. Através da prosa hábil e espirituosa de Gaiman surgem esses deuses com suas naturezas ferozmente competitivas, sua susceptibilidade a ser enganados e enganar os outros e sua tendência a deixar a paixão inflamar suas ações, fazendo com que esses mitos há muito tempo respirem uma vida pungente novamente. Skoob
Ao iniciarmos a leitura temos uma breve explicação do autor sobre o assunto de seu livro, ele nos fornece algumas características específicas de seu trabalho, fala um pouco com o leitor sobre os motivos que o levaram a escrever sobre mitologia, e nos mostra alguns detalhes muito importantes e interessantes sobre os personagens que irá compor os contos. Foi uma introdução que no meu caso se tornou fundamental para o melhor entendimento do que eu iria ler.
Neil Gaiman fala nesta introdução sobre três personagens que ao longo da leitura se tornaram os mais citados e ao meu ver os mais importantes, Thor, Loki e Odin, são estes três que passamos a acompanhar junto de cenários e situações das mais inusitadas possíveis. O autor mescla acontecimentos cômicos e tensos ao mesmo tempo e aos poucos conhecemos a história de cada deus, seus defeitos e qualidades são visíveis para o leitor.

“Enquanto recontava esses mitos, tentei me imaginar muito tempo atrás, nas terras onde essas histórias foram contadas pela primeira vez, durante as longas noites de inverno, quem sabe sob o brilho da aurora, ou então sentado ao ar livre durante a madrugada, ainda acordado sob a luz interminável no auge do verão cercado de pessoas que queria saber o que Thor fez, o que era o arco-íris, como levar a própria vida e de onde vem a poesia ruim.”Pág 13

“Mitologia Nórdica” é um livro composto por 15 contos, através deles temos o conhecimento do inicio dos tempos até o seu fim, uma escrita estimulante e que cativa o leitor foi a que Neil Gaiman usou em sua obra, em cada conto me via mergulhada no mundo dos deuses e suas vivências, gigantes, tomaram conta dos meus dias de leitura, vi Loki inúmeras vezes com suas tramoias e trapassas em meus sonhos a noite, há muito tempo não me sentia tão conectada com uma leitura como me senti com está.
O autor se dedicou muito ao escrever o livro, ele foi fruto de uma pesquisa e bastante estudo e no final foi feita a reprodução desses contos de forma impecável. A leitura se torna tão gostosa e natural, muitas vezes engraçada com o fatos que Thor vivência que fica difícil não bajular o autor por isso.
Mesmo que eu não tenha lido muitos livros sobre mitologia e não conhecendo esse mundo paralelo nunca me passou pela cabeça que com uma obra tão bem elaborada eu já fosse me tornar fã do assunto, é claro que dei uma pesquisada a mais sobre tudo que li aqui, entretanto acredito que ainda preciso de mais livros como este para entender esse universo Nórdico.

“Ele viaja para todos os cantos sob disfarce, querendo ver o mundo como as pessoas comuns. Quando caminha entre nós, é na forma de um homem alto usando manto e chapéu”.Pág 20

A edição do livro está linda demais, a editora caprichou muito, e entre está capa das fotos que vocês podem ver por aqui e a outra meio azulada eu ainda prefiro esta preta com dourado e um toque de rose gold no final do martelo de Thor, a esse cabo tem história que rende uma noite, rs entendedores entenderão.Ainda sobre a obra, fiquei apaixonada pelos contos e agora percebo que gosto desse tipo de conteúdo, graças a escrita fluída e dedicada do autor me tornei fã desse trabalho que ele realizou e já adquiri outras obras do mesmo para ter mais contato com sua escrita, realmente iniciei 2019 com uma leitura digna.

Um das coisas que gostei no livro é divisão de capítulos curtos e que de certa forma deixam um gostinho de quero mais, quando estava quase acabando de ler um conto pensava nossa ele podia estender um pouquinho mais aqui eita história boa.
Por fim só queria deixar registrado o quanto gostei da leitura e da escrita do autor, os personagens mais marcantes deste livro sem dúvida é Thor e Loki pelo menos na minha opinião foram eles que tornaram a obra tão interessante, estou louca para ler os próximos livros dele, já separei alguns e em breve volto aqui para contar tudo a vocês.

Neil Gaiman nasceu em Hampshire, Inglaterra, e hoje vive perto de Minneapolis, nos Estados Unidos. Descobriu seu amor pelos livros na infância e devorava as histórias de C.S. Lewis, J.R.R. Tolkien, James Branch Cabell e Edgar Alan Poe, entre outros autores. Começou a carreira como jornalista, mas logo o talento para construir tramas e universos únicos o levou para o mundo dos quadrinhos, com a aclamada série Sandman, e depois para a ficção adulta e infantojuvenil. Suas obras receberam inúmeros prêmios e medalhas e foram adaptadas em bem-sucedidas versões para cinema, televisão e até ópera.

 
Título Original: Norse Mythology| Páginas: 288| Editora Intrínseca| Compre: Amazon|
Avaliação: 5/5
26 jan, 2019

Livros Novos Na Estante [Recebidos]

Hoje quero compartilhar com vocês alguns dos meus últimos recebidos literários de 2018, chegou muitos livros por aqui, a maioria aquisição pessoal, os títulos que irei mostrar são obras que já desejava á muito tempo e que resolvi comprar neste final de ano, espero muito que gostem, caso você já tenha lido algum deles me conte nos comentários o que achou da leitura, mais sem spoiler Ok! rs.
Nix- Em seu elogiado romance de estreia, Nathan Hill conta o drama tragicômico de Samuel Anderson, um escritor fracassado obrigado a lidar com antigas feridas, reabertas pelo inesperado ressurgimento da mãe, Faye, que abandonou a família quando ele era criança. Faye é acusada de um crime absurdo registrado em um vídeo que viraliza na internet. A surpresa de Samuel é ainda maior ao perceber que, ao contrário da imagem de boa moça que se casou cedo com o namoradinho da escola, a mídia passa a retratá-la como uma hippie radical de passado sórdido. Engraçado e inteligente, Nix apresenta uma trama ao mesmo tempo contemporânea e atemporal, ao abordar, através de gerações, as dores cíclicas de uma família que mal se conhece.
A primeira vez que ouvi falar deste livro foi no canal da Mel, e logo após sua opinião sobre a obra eu busquei mais informações sobre a leitura, fiquei muito curiosa com o livro e resolvi adquirir, ela fará parte da minha TBR de fevereiro, por tratar-se de um livro com mais de 500 páginas vou dividir minha leitura em duas etapas e irei compartilhar com vocês nas redes sociais do Motivação Literária.
O Diário De Myriam- De um lado, uma menina judia que passou anos escondida no Anexo Secreto tentando sobreviver à guerra de Hitler. De outro, uma garota síria que sonha ser astrônoma e vê seu mundo girar após a eclosão de um conflito que ela nem mesmo compreende. Mesmo separadas por mais de setenta anos, Anne Frank e Myriam Rawick têm um elo comum: ambas são símbolos de esperança e resistência contra os horrores de um país em guerra e acreditam no poder das palavras.
O Diário de Myriam é um registro comovente e verdadeiro sobre a Guerra Civil Síria. Escrito em colaboração com o jornalista francês Philippe Lobjois, que trabalhou ao lado de Myriam para enriquecer as memórias que ela coletou em seu diário, o livro descortina o cotidiano de uma comunidade de minoria cristã que sofre com o conflito através dos olhos de uma menina. Assim como acompanhamos a Segunda Guerra Mundial pelos olhos da pequena Ada em A Guerra que Salvou a Minha Vida e A Guerra que Me Ensinou a Viver, O Diário de Myriam apresenta a perspectiva de uma menina que teve sua infância roubada ao crescer rodeada pelo sofrimento provocado pela Guerra da Síria, iniciada em 2011. Myriam começou a registrar seu cotidiano após sugestão da mãe, que propôs que ela contasse tudo aquilo que viveu para, um dia, poder se lembrar de tudo o que aconteceu.
Escrito entre novembro de 2011 a dezembro de 2016, o diário alterna entre as doces memórias do passado na cidade de Alepo e os dias carregados de incertezas e dolorido. E é com a sensibilidade de uma autêntica contadora de histórias que ela narra a preocupação crescente de seus pais com as manifestações contra a repressão, o sequestro de seu primo pelo governo, as notícias na televisão, as pinturas revolucionárias nos muros da escola e, por fim, os bombardeios que destroem tudo aquilo que ela conhecia.
A obra foi muito comentada em 2018 seu ano de lançamento aqui no Brasil, e aborda questões das quais eu gosto muito de obter conhecimento, a história de uma jovem que fugiu de seu local de nascimento para sobreviver, muito similar ao Diário De Anne Frank, o livro nos traz uma reflexão gigantesca sobre compaixão e acolhimento.
As Últimas Testemunhas- A 22 de junho de 1941, a Alemanha nazi invade a União Soviética, quebrando o pacto de não-agressão celebrado entre as duas nações e dando início ao que ficaria conhecido do lado russo como a Grande Guerra Patriótica. No final do conflito, em 1945, tinham morrido cerca de três milhões de crianças e, só na Bielorrússia, vinte e sete mil viviam em orfanatos.
Os relatos destes órfãos foram recolhidos, passados mais de quarenta anos, por Svetlana Alexievich. O resultado é uma visão única da guerra, testemunhada pelas crianças e não por soldados, políticos ou historiadores — os narradores mais sinceros e, simultaneamente, mais injustiçados. Uma obra importante, composta por relatos impressionantes, profundamente comovedores e autênticos, em que o conflito e a tragédia se transformam em acontecimento pessoal, em fascinante e pungente memorial vivo de guerra.
Meu último livro recebido do clube de assinatura Tag Livros, e a temática da obra também é muito forte, um relato do período nazista feito por órfãos deste tempo, acredito que irei me emocionar muito com a leitura e tudo que ela tem a oferecer.
Em Algum Lugar Nas Estrelas- EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS é um romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai… bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden.
Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de sua genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor.
Obsessivo, Early Auden tem regras específicas sobre que músicas deve ouvir em cada dia da semana: Louis Armstrong às segundas; Sinatra às quartas; Glenn Miller às sextas; Mozart aos domingos e Billie Holiday sempre que estiver chovendo. Seu comportamento é um dos muitos indícios da síndrome de Asperger, uma forma branda de autismo que só seria descoberta muito tempo depois da Segunda Guerra, e que inspirou personagens já clássicos como o Sr. Spock (Star Trek), o Dr. House e Sheldon Cooper (The Big Bang Theory).
Uma das sinopses que mais me chamou a atenção nessas novas aquisições foi a desta obra, a temática dela também envolve uma série de acontecimento em que amor supera todos os obstáculos, acredito que irei me emocionar e aprender muito com os personagens do livro.
Só Os Animais Salvam- Nós, humanos, nos achamos o máximo. Mas o que temos feito com o nosso mundo? “Só os Animais Salvam” é um livro que tenta responder a essa pergunta de maneira inusitada. Cada um de seus contos é uma fábula moderna, narrada por um bicho diferente, vítima de uma de nossas incontáveis guerras. Em meio ao caos, os animais conseguem encontrar esperança e inspiração numa das atividades mais significativas que nossa espécie já criou: a literatura. Ceridwen Dovey reúne fragmentos e personagens da obra de escritores imortais e nos faz sonhar o sonho dos inocentes. Só os animais salvam.
Sou apaixonada por animais e os defendo mais que tudo, o interesse nesta leitura foi imediato por me identificar com seu conteúdo logo de cara, espero muito ler o quanto antes e compartilhar com vocês!
A Guerra Que Salvou Minha Vida- Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros. Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe. Ainda bem que há uma guerra se aproximando.
Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.
Kimberly Brubaker Bradley consegue ir muito além do que se convencionou chamar “história de superação”. Seu livro é um registro emocional e historicamente preciso sobre a Segunda Guerra Mundial. E de como os grandes conflitos armados afetam a vida de milhões de inocentes, mesmo longe dos campos de batalha. No caso da pequena Ada, a guerra começou dentro de casa.
Essa é uma das belas surpresas do livro: mostrar a guerra pelos olhos de uma menina, e não pelo ponto de vista de um soldado, que enfrenta a fome e a necessidade de abandonar seu lar. Assim como a protagonista, milhares de crianças precisaram deixar a família em Londres na esperança de escapar dos horrores dos bombardeios.
Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos.
Como vocês podem ter notado uma boa parte dos livros novos da estante são sobre guerra ou lições preciosas acredito que é meu gênero preferido e por isso acabo comprando tantas obras desse tipo.
Resolvi compartilhar com vocês seis livros novos, para que não fique muito cansativo, nos próximos posts de recebidos vou mostrando os demais livros que chegaram aqui, espero muito que vocês tenham gostado do post e das dicas de leitura, vejo vocês em breve!
Xoxo
18 dez, 2018

[Resenha] Boa Noite – Pam Gonçalves

A leitura é algo que me proporciona muito aprendizado, por isso gosto tanto de pratica-la, este ano li poucos livros nacionais e gostaria de ter feito mais isso, por esse motivo resolvi ler um e-book nacional, e escolhi uma autora que como escritora começou abordando assuntos muito bons, Pam Gonçalves é uma das inspirações que me levaram a criar meu próprio blog, adoro ver seus vídeos, não cheguei a conhecer seu blog mais sei que deveria ser tão bom quanto, adorei sua escrita e a força que a leitura nos proporciona como mulheres, espero muito que gostem da resenha!

Sinopse:Alina quer deixar seu passado para trás. Boa aluna, boa filha, boa menina. Não que tudo isso seja ruim, mas também não faz dela a mais popular da escola. Agora, na universidade, ela quer finalmente ser legal, pertencer, começar de novo. O curso de Engenharia da Computação – em uma turma repleta de garotos que não acreditam que mulheres podem entender de números -, a vida em uma república e novos amigos parecem oferecer tudo que Alina quer. Ela só não contava que os desafios estariam muito além da sua vida social. Quando Alina decide deixar de vez o rótulo de nerd esquisitona para trás, tudo se complica. Além de festas, bebida e azaração, uma página de fofocas é criada na internet, e mensagens sobre abusos e drogas começam a pipocar. Alina não tinha como prever que seria tragada para o meio de tudo aquilo nem que teria a chance de fazer alguma diferença. De uma hora para outra, parece que o que ela mais quer é voltar para casa.

“Boa Noite” é um livro sobre autopreservação, sobre lutas diárias, uma história de superação no universo feminino que aborda diversas questões importantes, como o abuso sexual, o preconceito, crimes cometidos contra a mulher e a luta que nós travamos todos os dias contra tudo isso.
Conhecemos “Alina” nossa protagonista e desde do inicio como leitora já tenho uma sensação muito forte a respeito dessa jovem, ela está embarcando em uma nova fase de sua vida, irá iniciar a faculdade e terá que se mudar, no local onde irá viver nos próximos meses ela conhece seus novos colegas.
“Manu” é uma jovem muito extrovertida, diferente, faladeira e com um enorme coração ela irá recepcionar Alina na república, lá moram também o casal “Talita e Bernado” ele são muito apaixonados e muito unidos, uma paixão ardente habita entre os dois. Por fim ela é apresentada ao dono da república e morador “Gustavo” é jovem, bonito e estuda medicina, logo de cara percebe-se um mistério muito atraente no rapaz.
Quando começaram a aulas Alina já imaginou o que estava por vir, ela escolheu fazer engenharia da computação um curso que em sua maioria era realizado por homens, na sala de aula a jovem se uniu as poucas mulheres da turma e logo de cara sentiu os olhares e ouviu os cochichos preconceituosos, o que ela não imaginava é o quanto aquele machismo ficaria agressivo com o passar dos dias.
“Alina” ainda não tinha ideia do quanto as coisas na faculdade iriam ficar complicadas, mais já estava vivendo um pouco dos problemas locais, no inicio foi a algumas festas e lá conheceu pessoas que aos poucos descobriu não ser bem o que ela pensava, em uma luta constante com seu grupo de estudo a novata traça um caminho para enfrentar diversas questões durante o ano letivo e graças a um projeto que desenvolveram elas conseguem combater essas questões,  em sua maioria crimes cometidos contra as estudantes do campus.
“Pela primeira vez em muito tempo desejo ser a Alina do passado de novo. Tentar ser diferente não está sendo uma boa experiência” Pág. 153
 
 
O livro traz uma abordagem muito atual contra o abuso sexual, o preconceito, o bullyng  e a impunidade, a autora mostra a luta de jovens estudantes contra todas estas questões e enfatiza a importância do respeito, da amizade, do companheirismo e do amor entre as pessoas.
“Várias garotas sofrem abuso sexual todos os dias na nossa universidade, na nossa cidade, no nosso estado, no país, no mundo inteiro. E a maioria não denuncia e não pede ajuda.[…] Sabem por quê? Porque a maioria vai ser culpada por vocês. Por nós. Porque, para a nossa sociedade, é normal assediar. Porque se ela não quisesse, não sairia de roupa curta. Porque, se ela não quisesse, não andaria sozinha. Porque, se ela não quisesse, não estaria bebendo. Porque, se ela não quisesse, não estaria VIVENDO.” Pág. 212
Com uma escrita envolvente Pam Gonçalves nos transporta para o mundo de Alina e nos faz refletir sobre situações tão reais vividas pela personagem, a leitura nos mostra a importância de não nos deixarmos calar diante de alguma injustiça cometida contra as mulheres ou qualquer outra pessoa, de forma sutil também através da leitura é possível perceber as formas de racismo tão presentes ainda nos dias em que vivemos. Através da história de Alina é passado uma mensagem de que acima de tudo somos todos iguais.
Foi um imenso prazer ter a oportunidade de ler está obra e espero que vocês tenham gostado da resenha, um grande beijo e até a próxima!
Conheça o  novo conto da autora, disponível em: Bom Ano
Jovem Adulto • Editora Galera • 240 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: Amazon
17 out, 2018

Resenha A Lista Negra Jennifer Brown

Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio.

“A lista negra” é uma das leituras mais marcantes que ja realizei, é com essa história que resolvi iniciar o blog, uma ficção que vale a pena ser contada por estar muito relacionada com a realidade e atualidade,  a escrita de Jennifer é intencionalmente direcionada ao publico jovem o que me agradou muito, pois no momento que estamos vivendo é fundamental termos escritores para esse público.

Valerie e Nick são namorados e estudam no mesmo colégio, ambos sofrem diariamente com o preconceito e a intolerância em seu ambiente escolar, por conta desse bullying eles decidem criar uma lista com os nomes das pessoas que praticam essa agressões, nesta lista os jovens mencionam qual punição cada aluno merece ter.

Em uma manhã como muitas outras, Nick entra na escola armado e dispara contra diversas pessoas, inclusive Valerie acaba levando um dos tiros, Nick parecia ter alvos específicos, os mesmos nomes da lista, acertar Valerie foi um acidente, e a jovem não sabia de fato o que estava acontecendo, ela nunca imaginou uma atitude assim de seu namorado. No final desse dia muitas pessoas estavam machucadas e Nick estava morto.

A jovem Valerie agora precisava lidar com diversas situações, o fato de que seu namorado estava morto era uma dor assombrosa para ela, para agravar ainda mais sua situação as pessoas estavam desconfiadas da jovem, sua família mesmo a desamparou no momento mais difícil de sua vida. Valerie não percebeu o sinais de revolta em Nick e durante muito tempo se culpou por isso, ela precisou de muita terapia e autocontrole. Infelizmente a protagonista não poderia voltar ao passado mais sim tentar um novo futuro.

— Tudo bem se alguém deixar você vencer de vez em quando (…) não precisamos ser sempre perdedores Valerie. Eles podem querer que a gente se sinta assim, mas nós não somos perdedores. Às vezes também ganhamos.❞

A leitura se torna extremamente envolvente conforme conhecemos mais sobre os personagens, a abordagem da autora foi uma das coisas mais importantes ao meu ver, escrever sobre assuntos tão delicados é um dom que já sabemos que Jennifer Brown possui, adorei a maneira como o livro foi construindo, e acredito que todos deveriam ler sobre esse tema.
A protagonista dessa história passou por muito sofrimento, muitas pessoas a deixaram de lado, a culparam, a isolaram pelos atos de Nick, achavam que ela tinha mandado ele executar tal ato e isso a atormentou a desmotivou, o fato principal para que Valerie superasse tudo isso foi se perdoar por tudo, foi uma longa caminhada mais ela enfim conseguiu.

O intrigante na narrativa de “A lista negra” é exatamente sabermos que o preconceito e bullying estão muito presentes em nossa vida, nos tornando a pior versão de nós mesmos, acredito que a obra é um alerta a sociedade, a todos que praticam ou que sofrem esse tipo situação, um alerta aos pais, e amigos de pessoas que passam por dificuldades como as dos personagens.

O livro nos traz uma lição de coragem, amadurecimento e  principalmente de compreensão, foi um experiência incrível ler o trabalho da autora e recomendar a todos vocês é mais como um dever. Espero que tenham gostado da resenha e que possam tirar grandes lições dessa estória assim como eu.
Um grande beijo e até a próxima!

Jovem Adulto • Editora Gutenberg • 272 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: Amazon SubmarinoSaraiva

26 ago, 2018

[Resenha] Jardim De Inverno Kristin Hannah

Sinopse: Meredith e Nina Whiston são tão diferentes quanto duas irmãs podem ser. Uma ficou em casa para cuidar dos filhos e da família. A outra seguiu seus sonhos e viajou o mundo para tornar-se uma fotojornalista famosa. No entanto, com a doença de seu amado pai, as irmãs encontram-se novamente, agora ao lado de sua fria mãe, Anya, que, mesmo nesta situação, não consegue oferecer qualquer conforto às filhas.

“Jardim de inverno” é um romance, onde a autora abordou um drama familiar e concentrou a história em cima desse drama, um livro rico em acontecimentos que gostei muito de ler, com algumas ressalvas é claro, espero muito que gostem da resenha.
Escolhi realizar a leitura de ‘Jardim De Inverno’ porque achei muito propício aproveitar a temática da obra na estação que mais gosto do ano, antes que ela acabe, e gostei muito de boa parte da obra e escrita de Kristin, eu particularmente gosto muito de dramas, é o tipo de leitura que me atrai, não sei explicar o motivo, e além de toda essa abordagem existe um suspense em relação a um dos personagens em que autora conseguiu explorar bem e que me deixou mais interessada e ligada a leitura.

“Nós mulheres, fazemos escolhas pelos outros, não por nós mesmas. E quando somos mães, nós suportamos o que for preciso por nossos filhos.”

Conhecemos um pouco da vida de Meredith e Nina, duas irmãs que tiveram a infância negligenciada pela mãe Anya, uma mulher que sofre com seus problemas pessoais e internos e mantém uma relação de carinho com o marido, um homem que cuida muito bem de sua família e que esta sempre disposto a mediar a relação da mãe com sua filhas. Anya nunca deu a Meredith e Nina a atenção e cuidado necessário, sempre foi muito fria e distante, entretanto o mistério está nesses fantasmas que assombram a vida dessa mulher.

Meredith e Nina seguiram caminhos completamente diferentes depois de adultas, Nina se tornou uma grande fotografa e passa a maior parte de sua vida viajando buscando o clique perfeito, já Meredith se casou, e tocou o negócio da família, ambas passam por momentos de verdadeiras provações, Meredith irmã mais velha enfrenta um distanciamento enorme entre ela e seu marido e isso tudo piora muito com o tempo, Nina nunca conseguiu se prender a nada e sempre que vê um problema ela foge para o mais longe possível.

Em meio a tantas circunstâncias negativas, as mulheres da estória de Kristin, sofrem um perda terrível, para as irmãs um pai maravilhoso e para a esposa o seu grande amor seu alicerce, este homem que por anos cuidou de sua família acaba morrendo e em seu leito de morte faz um último pedido as filhas, para que elas tentem de todas as formas possíveis se aproximarem da mãe mesmo quando Anya as afastarem.

A escrita de Hannah é envolvente, misteriosa e criativa, como disse anteriormente gostei de boa parte do livro, um romance bem construído, com bons personagens com histórias de vida sólidas e comparáveis a realidade exatamente como gosto em um livro, entretanto preciso fazer uma ressalva a forma como a autora contou repetidamente os sofrimento dessas mulheres, principalmente em relação ao papel de Meredith em seu casamento, em alguns momentos a leitura se tornou uma repetição de fatos já apresentados aos leitores.

A autora possui um escrita bem fluída e de fácil compreensão, o que torna a leitura agradável, somente em relação este ponto da repetição sobre algo que o leitor já tinha conhecimento, é que Hannah teria que ter melhorado, a obra toda é muito boa, e recomendável, espero muito que possam aproveitar a dica de hoje, vejo vocês em breve!

Drama • Editora Novo Conceito • 416 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: AmazonSubmarino Saraiva
18 ago, 2018

Adaptação Filme Para Todos Os Garotos Que Já Amei – Disponível No Netflix

Olá pessoal, estive muito animada e ansiosa para vir aqui no blog escrever minha opinião sobre a adaptação da obra de Jenny Han, e fiquei muito feliz com a estreia ontem no netflix, a leitura de “Para Todos Os Garotos Que Já Amei” foi uma das melhores de 2018 até o momento então tinha muitas expectativas para o filme, espero muito que gostem do post!
O filme se revelou muito melhor do que eu esperava, tinha grandes expectativas para a atuação dos atores escolhidos na produção e eles não deixaram a desejar, fiquei muito satisfeita com toda a interpretação realizada por todo o elenco, e preciso dizer ficou muito similar ao livro, claro que na leitura temos muitos outros detalhes deixados de lado, mais conseguiram entregar uma boa adaptação e fiquei simplesmente mais apaixonada por toda a história.

Para os que desconhecem por completo, “Para Todos Os Garotos Que Já Amei” nos conta sobre a vida de uma jovem chamada Lara Jean, que vê seu mundo virar de ponta cabeça após antigas cartas que a mesma escreveu serem enviadas misteriosamente, ela escreveu essas cartas para rapazes por quem por algum período mesmo que curto esteve apaixonada e Lara as guardava em uma caixa que foi presente de sua mãe.

Quando a jovem se viu confrontada pelo primeiro rapaz que recebeu sua carta depois de anos, ela fica totalmente sem chão e uma grande confusão se instala, o jovem em questão acabou de terminar seu namoro e ficou completamente confuso com a carta de Lara, entretanto o destino é bem audacioso e tem planos bem românticos para eles.
O filme me deixou ainda mais empolgada para próxima leitura, o segundo livro da série Ps ainda amo você será resenhado muito em breve aqui no motivação literária, e tenho certeza que irei amar tanto quanto o primeiro, ainda sobre a adaptação fiquei muito feliz com todo cenário construído foi bem como havia imaginado, o final ficou um pouco vago, particularmente gostaria que fosse melhor trabalhado, mais tenho certeza que pode existir uma continuação para o romance da protagonista.
Preciso salientar que realizar a leitura antes de ver o filme foi algo que fez toda a diferença, senti que compreendia melhor a estória e poderia imaginar de forma mais significativa na hora do filme acredito que o romance ficou muito mais bonito no livro, porém o filme também teve grande representatividade nessa questão.

Espero muito que tenham gostado, se você ainda não conferiu a resenha do livro está disponível aqui no blog Para > Todos Os Garotos Que Já Amei, um grande beijo e até a próxima.

17 jul, 2018

[Resenha] Nada A Perder – Jeff Lemire

Acredito que desenvolvi amor por um novo estilo de livro, Graphic Novel, essa minha última leitura foi muito intensa e ao mesmo tempo bonita ao olhos, um livro extremamente bem trabalhado em todos os sentidos e que amei ler, espero muito que gostem!
Sinopse: Derek Ouelette costumava ser alguém. Promessa do hóquei, ele agora nada mais é do que a sombra do ídolo que um dia poderia ter sido. Um bêbado, sacana, violento, leva uma vida esquecida por todos em uma vila esquecida por todos. Um dia, no entanto, algo invade sua história e o coloca diante de uma escolha impossível. Uma escolha que só pode ser feita por um homem que não tem nada a perder.

Derek Ouelette é homem que tinha um futuro, jogava hóquei e era bom no que fazia, tinha fãs e estava se saindo muito bem, porém ele também tinha um temperamento explosivo, herdado do pai que por anos o maltratou e o induziu a se tornar uma pessoa diferente do que deveria ter sido, violento e solitário. Hoje olhando para trás ele percebe o quanto sofreu e o quanto sua família estava condicionada a crueldade de seu pai.

Sua mãe morreu em um acidente ao tentar fugir do homem que ela escolheu como marido deixando Derek e sua irmã Beth sozinhos, com o tempo a jovem percebeu que seu irmão não iria cuidar dela porque tinha os próprios problemas e resolveu ir embora da cidade onde viviam, após alguns anos ela retorna e precisa da ajuda de Derek, sua vida está uma bagunça e ele terá que passar por cima de tudo pela irmã. Ele conta com seu único amigo para ajudar a Beth. Ray é policial e como sempre irá estender a mão a Derek e auxilia-lo nessa difícil jornada.

“Nada a perder” foi uma leitura intensa, o drama vivido pelos personagens nos emociona e no faz refletir sobre questões difíceis, uma obra incrível e emocionante que nos abre os olhos para dor do próximo e nos desperta como seres humanos. Com ilustrações belíssimas o autor nos fisga para dentro da vida dos personagens, causando sentimentos profundos como se fizemos parte de sua estória.

Fiquei muito satisfeita com minha última leitura e realmente acredito que a proposta do autor foi entregue, quero muito ler mais obras dele e principalmente se forem neste formato, espero que tenham gostado!
Um grande beijo e até a próxima!
Graphic Novel • Editora Nemo • 372 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: AmazonSubmarinoSaraiva