Posts arquivados em Tag: Romance

17 mar, 2019

[Resenha] Praia De Manhattan @intrínseca

“Praia De Manhattan” foi uma leitura que me deixou reflexiva sobre diversas questões, uma das mais importantes foi a criatividade da autora em criar um romance histórico tão centrado em seus personagens como nunca havia lido antes. Impactada ainda estou com o livro e tudo que ele representa, sua singularidade é admirável!



Sinopse: Tributo à tradição dos grandes romances americanos, o novo livro da vencedora do Prêmio Pulitzer acompanha Anna Kerrigan e Dexter Styles em um universo noir povoado por gângsteres, mergulhadores e banqueiros durante os tempestuosos anos 1940.Com quase 12 anos, Anna acompanha o pai à casa de Styles, uma figura enigmática que pode ser crucial para a sobrevivência de sua família. Durante a visita, ela fica completamente hipnotizada pelo mar em volta da construção e pelo mistério que ronda a relação entre os dois homens. Anos depois, o pai de Anna desaparece. Já adulta, ela se torna a primeira mulher mergulhadora e conserta os navios que vão ajudar o país durante a Segunda Guerra Mundial. É nesse cenário que, em uma noite de folga, reencontra Styles em uma boate. Certa de que ele pode ajudar a desvendar os segredos que envolvem a história do pai, Anna inicia uma relação tão improvável quanto perigosa.

Anna Kerrigan é uma criança peculiar, não tão bonita como sua irmã porém esperta e observadora como ninguém, ela vive uma infância centrada em seus relacionamentos familiares. Seu pai é um homem forte e transmite para a jovem menina uma segurança absurda de mundo, sua relação com ele é doce, sincera e de muito afeto. Em casa Anna tem uma outra pessoa importante, sua irmã, Lydia sofre de uma doença que não a permite, andar, falar, comer ou fazer qualquer outra coisa sozinha, mesmo assim é dona de uma beleza que faz brilhar os olhos de quem a vê.

Junto de sua mãe elas cuidam de Lydia com todo amor e afeto que se é possível, o momento mais íntimo entre as três mulheres daquela casa é quando o pai não está presente e elas podem dançar e sentir as ondas sonoras adentrarem suas almas. Geralmente após fazerem isso dão banho em Lydia para aliviar as tensões e dores que a pobre menina sente. Lavam seu cabelo com o mais cheiroso dos shampoos e mimam a pequena o máximo que podem.

Anna tem uma rotina da qual gosta muito, ela sempre está junto do pai em suas saídas a trabalho, ela é sua companheira e isso os unem muito, os passeios com o pai são os melhores e ela não abre mão de estar ao seu lado. Em um desses passeios as coisas mudam, e a jovem talvez muito tarde saberia o porque.

“Elas são bem mais fortes do que nós-ouviu-o dizer ao pai.-Por sorte nossa, não sabem disso” Página 17.

A obra foi ambientada em um período de crise, para muitas famílias em Nova York, a decadência de uma era, graças a quebra da bolsa de valores, para a família de Anna não foi diferente as dificuldades enfrentadas pela crise fizeram seu pai tomar uma decisão que permitiria a sobrevivência de todos.

“Só dói no começo-respondeu ela-Depois de um tempo, você não sente mais nada.” Página 16

A escrita de Jennifer Egan se intercala com a narrativa da jovem Anna e de seu pai, aos poucos o leitor também tem deslumbres de outros personagens narrando a história que compõem o romance, e essa escolha de escrita feita pela autora fez total diferença durante a leitura. Meu primeiro contato com seu trabalho foi absurdamente revelador e instigante, a forma como ela descreve cada acontecimento em seu livro nos faz adentrar aqueles cenários como se fossemos parte dele, entretanto somente como observadores dos fatos sem interferências maiores.

Inicialmente a obra de Egan é um total mistério, passagens desconhecidas ao leitor, até que a autora começa revelar de forma mais clara os conflitos que cercam seus personagens, as questões envolvendo o pai de Anna e sobre como ele decidiu salvar sua família da miséria também é colocada de forma misteriosa ao leitor o que torna o livro cada vez mais interessante. Após alguns anos podemos acompanhar a trajetória que Anna deu a sua vida, já mais velha e empregada em um uma função nada convencional, ela trabalha no arsenal da marinha e continua sendo a mesma jovem sonhadora que foi na infância. Mesmo ainda nutrindo sonhos como quando criança Anna se torna a responsável pelo sustento de sua família, após o pai ter desaparecido, aos poucos ela vai se desenvolvendo na marinha e sobe de cargo.

“As vezes é mais dificil pedir a Deus alguma coisa para si mesmo.”

Após muitos anos a jovem não desistiu de achar seu pai, e entre as responsabilidades do trabalho e família ela investiga paralelamente o seu sumiço, Anna acaba descobrindo que ele estava envolvido com um mafioso chamado Dexter Styles, essa descoberta é um choque para a jovem que constatou o envolvimento do pai com crime.

A obra é um misto de crise financeira e guerra, conhecemos um pouco daquele período e temos como pano de fundo uma época de corrupção, mafiosos, gangsters e ilegalidade. O livro possui quase 500 páginas em alguns momentos a leitura torna-se meio lenta o que foi um pouco difícil de lidar, fora isso a autora entrega um trabalho digno muito bem realizado que me agradou muito.

Jennifer Egan é uma escritora reveladora, criativa, inteligente, e consegue ligar seus personagens com os fatos e circunstâncias que propõem em sua obra, uma característica admirável, a edição lançada pela editora Intrínseca é muito bonita, adorei a capa do livro que já remete um pouco do que ele irá contar. O livro levanta algumas questões importantes atualmente e que devem ser debatidas de forma mais profunda, isso também provoca algumas reflexões sobre essas questões o que coloca o leitor para pensar.

Enfim a obra vale ser lida e conhecida, recomendo para os que procuram algo criativo e instigante, com personagens sólidos e histórias reveladoras.

Espero muito que tenham gostado!

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New Yorker, Harper's Magazine, Granta, GQ, Zoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Jennifer Egan nasceu em Chicago e cresceu em São Francisco. Além do premiado A visita cruel do tempo, que ganhou o Pulitzer de Ficção 2011, é autora do best-seller The Keep e teve trabalhos publicados nas revistas New YorkerHarper’s MagazineGrantaGQZoetrope e Ploughshares. Por seus artigos de não ficção, escritos para a The New York Times Magazine, recebeu diversos prêmios jornalísticos. Atualmente, Egan vive no Brooklyn com o marido e os filhos.

Xoxo.
Título Original: Manhattan Beach|Páginas: 446|Gênero: Romance|Editora: Intrínseca |Minha Avaliação: 5/5 |Comprar: Amazon


02 mar, 2019

[Resenha] O Verão Que Mudou Minha Vida-Jenny Han @intrínseca

O verão nunca foi minha estação preferida, até o momento minha visão sobre ele era de desconforto, mais Jenny Han com toda sua experiência e criatividade despertou um sentimento adormecido em mim há muito tempo. Fique menos frustada com o calor e senti aquele sensação de aconchego novamente lendo a obra “O verão que mudou minha vida”. o livro pode ser inicialmente descrito como reconfortante e alegre o que já nos desperta para uma história linda!

Sinopse: A vida de Isabel Conklin é marcada pelas férias de verão. As outras estações do ano são como um intervalo, dias que passam lentamente enquanto ela espera que o sol lhe traga de volta o que mais ama: o mar, descanso, diversão e, principalmente, Conrad e Jeremiah Fisher. Os garotos da família Fisher sempre estiveram ao lado de Belly em suas aventuras. Conrad é ousado, sombrio, inteligente. Já Jeremiah, é confiável, engraçado, espontâneo. Mesmo sendo tão diferentes, os três constroem uma amizade que parece inabalável. Apenas parece… Tudo muda quando, em uma dessas férias, Conrad demonstra sentir algo por ela. O problema é que Jeremiah faz o mesmo. À medida que os anos passam, Belly sabe que precisará escolher entre os dois e encarar o inevitável: ela vai partir o coração de um deles. Na trilogia Verão, acompanhamos Belly dos 15 aos 24 anos. Em meio a descobertas e mudanças, ela se apaixona, se envolve em um triângulo amoroso, entra na universidade e descobre que amadurecer também significa tomar decisões difíceis. Primeiros romances jovens de Jenny Han, os três livros são agora relançados pela Intrínseca, com novas capas e traduções inéditas. Skoob

“Belly” é uma jovem sonhadora com algumas paixões, na verdade são quatro ao todo, o verão, a casa de praia e o que vinha com ela, Jeremiah e Conrad, amigos desde pequenos, ela contava os dias e as horas quando verão se aproximava porque sabia para onde iriam e quem iria encontrar, quando já estavam na estrada e sua mãe dormindo no banco traseiro do carro enquanto Steve dirigia, Belly já imaginava como seria este verão e que muitas coisas tinham mudado inclusive ela tinha mudado e muito.

Elas eram tão familiares para mim quanto as que ouvia em casa, por isso sentia como se ja tivesse chegado ao nosso destino.

“Steven” era o irmão mais velho de Belly e vivia implicando com a jovem, neste inicio de verão não foi diferente mais com o passar dos dias na casa de praia as coisas ficaram estranhas e isso deixou Steven confuso, ele sempre foi muito amigo dos meninos Jeremiah e Conrad, neste ano em particular ele iria embora mais cedo, para visitar universidades com seu pai, como disse muitas coisas mudaram.

A casa de praia não era chique, era normal, habitável e confortável- com sofás de estofados velhos e desbotados e uma poltrona reclinável- eu e os meninos sempre brigávamos para ver quem ia se sentar nela.

“Jeremiah e Conrad” são unidos até certo ponto como irmãos e a vida dos dois esta uma verdadeira bagunça, eles tinham crescido assim como Steven e Belly, amadureceram mais algumas coisas na fase adulta machucavam demais, e os dois estavam passando por coisas deste tipo, Jeremiah sempre foi o mais divertido e alegre sempre fazendo piada de tudo e Steven ia na onda do amigo, o alvo sempre foi Belly desde pequena ela sofria com as brincadeiras dos dois. Conrad era mais reservado mais inteligente e esperto, porém não deixava de participar das algazarras de verão com seus amigos e se isso incluía zombar da irmã mais nova de Steven então que seja.

“Belly” sempre foi mais próxima de Jeremiah, eles tinham uma conexão diferente dos outros, eram amigos de verdade e não tinham segredos, a mãe dos meninos a adorava, Susannah era a melhor amiga da mãe de Belly e sempre se encontravam no verão para unir as “crianças” e se unirem na estação mais intensa do ano. Susannah nutria um amor de mãe por Belly dizia que a jovem era sua filha postiça e torcia para que ela ficasse com um de seus filhos, no fundo sabia que a doce menina gostava de Conrad desde sempre.

Este ano na casa de praia as coisas estavam diferentes, no inicio Belly não notou nada estranho, mais com o passar dos dias foi percebendo o quanto tinham mudado, todos eles, Steven menos que os outros ele ainda era o irmão chato e implicante, um pouco mais velho mais ainda era o Steven, Jeremiah ainda era divertido e alegre mais de forma diferente, já Conrad estava completamente sombrio e distante e quando as coisas ficaram complicadas ele só piorou tudo. O que Belly não sabia era o motivo de toda aquela mudança e isso a entristeceu e muito.Eu continuava sentindo exatamente a mesma coisa.

“Era como se eu estivesse no topo de uma montanha-russa, prestes a despencar”

Bells era uma menina meiga, delicada que passou a vida tentando se encaixar no grupo da casa de praia, sempre deixada de escanteio pelos meninos, ela ficavam chateada com a indiferença deles em muitos aspectos, mais como tudo na vida passa neste verão ela estava mais madura, mais bonita, com o corpo diferente, já tinha quase 16 anos e isso fez com que eles a vissem de outro jeito, demorou mais Belly conquistou a atenção do garotos e isso mudou sua vida.

” O que eu detestava era a sensação de ser diferente, de não pertencer ao grupo, eu detestava destoar dos outros , só queria ser como eles.”

Já li outra obra da autora emque ela trabalha uma outra estação, uma das minhas favoritas, o inverno, e maisuma vez me senti dentro dos cenários criados por ela, nesta obra pudecontemplar uma visão clara da praia , do mar, do sol e da alegria que envolviatodos na história.

O livro nos leva a um ambiente familiar, de amizade, amor e respeito, uma leitura inspiradora e motivacional até em alguns momentos, a escrita de Jenny é incrivelmente conquistadora, devorei cada capítulo ansiando por mais a  todo momento. O romance criado pela autora entre os personagens só tornava a história cada vez mais instigante.

Adorei a forma como a obra foi trabalhada, dividida em momentos atuais na casa de praia e lembranças da personagem principal de outros verões, dando uma visão clara dos acontecimentos das vidas de todos envolvidos, o drama vivido por eles me emocionou, especialmente tratando-se de algo tão delicado, me identifiquei com os jovens, com os sentimentos que a situação gerou neles, recentemente vivi algo similar e me senti exatamente como os personagens de Jenny Han.Fiquei deitada na cama, pensando que os romances de verão realmente começam e acabam rápido demais.

O livro se tornou um favorito para este ano, a edição que a editora publicou está linda, a capa possui um pequeno relevo na fonte que me lembra areia de praia, com cores vibrantes e ilustrações que remetem ao mar, uma edição linda com fonte e diagramação perfeitas.Uma das coisas que mais aprecio na escrita da autora é a forma misteriosa e de suspense que ela cria para os cenários de romance, sempre fazendo com que o leitor fique cada vez mais curioso sobre o relacionamento de Belly com seu atual namorado de verão, ou o que iria acontecer com Conrad?

Esse mistério me deixou maluca durante a leitura não vejo a hora de ler as demais obras e ver qual foi o destino deles.

Jenny Han nasceu na Virgínia, Estados Unidos, e cursou mestrado em escrita criativa pela New School. Sabe fazer um brownie perfeito, é ótima em inventar apelidos e tem paixão por livros de receitas. Sua série de TV preferida é Buffy – a caça-vampiros. Mora no Brooklyn, em Nova York.

Espero muito que tenham gostado da resenha, em breve volto aqui no blog e conto a vocês o que achei dos outros livros que compõem a trilogia, um grande beijo e até a próxima!

Original: The Summer I Turned Pretty  |Páginas: 233 | Gênero: Romance| Editora: Intrínseca |Ano: 2009/2019 |Minha Avaliação 5/5

17 out, 2018

Resenha A Lista Negra Jennifer Brown

Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio.

“A lista negra” é uma das leituras mais marcantes que ja realizei, é com essa história que resolvi iniciar o blog, uma ficção que vale a pena ser contada por estar muito relacionada com a realidade e atualidade,  a escrita de Jennifer é intencionalmente direcionada ao publico jovem o que me agradou muito, pois no momento que estamos vivendo é fundamental termos escritores para esse público.

Valerie e Nick são namorados e estudam no mesmo colégio, ambos sofrem diariamente com o preconceito e a intolerância em seu ambiente escolar, por conta desse bullying eles decidem criar uma lista com os nomes das pessoas que praticam essa agressões, nesta lista os jovens mencionam qual punição cada aluno merece ter.

Em uma manhã como muitas outras, Nick entra na escola armado e dispara contra diversas pessoas, inclusive Valerie acaba levando um dos tiros, Nick parecia ter alvos específicos, os mesmos nomes da lista, acertar Valerie foi um acidente, e a jovem não sabia de fato o que estava acontecendo, ela nunca imaginou uma atitude assim de seu namorado. No final desse dia muitas pessoas estavam machucadas e Nick estava morto.

A jovem Valerie agora precisava lidar com diversas situações, o fato de que seu namorado estava morto era uma dor assombrosa para ela, para agravar ainda mais sua situação as pessoas estavam desconfiadas da jovem, sua família mesmo a desamparou no momento mais difícil de sua vida. Valerie não percebeu o sinais de revolta em Nick e durante muito tempo se culpou por isso, ela precisou de muita terapia e autocontrole. Infelizmente a protagonista não poderia voltar ao passado mais sim tentar um novo futuro.

— Tudo bem se alguém deixar você vencer de vez em quando (…) não precisamos ser sempre perdedores Valerie. Eles podem querer que a gente se sinta assim, mas nós não somos perdedores. Às vezes também ganhamos.❞

A leitura se torna extremamente envolvente conforme conhecemos mais sobre os personagens, a abordagem da autora foi uma das coisas mais importantes ao meu ver, escrever sobre assuntos tão delicados é um dom que já sabemos que Jennifer Brown possui, adorei a maneira como o livro foi construindo, e acredito que todos deveriam ler sobre esse tema.
A protagonista dessa história passou por muito sofrimento, muitas pessoas a deixaram de lado, a culparam, a isolaram pelos atos de Nick, achavam que ela tinha mandado ele executar tal ato e isso a atormentou a desmotivou, o fato principal para que Valerie superasse tudo isso foi se perdoar por tudo, foi uma longa caminhada mais ela enfim conseguiu.

O intrigante na narrativa de “A lista negra” é exatamente sabermos que o preconceito e bullying estão muito presentes em nossa vida, nos tornando a pior versão de nós mesmos, acredito que a obra é um alerta a sociedade, a todos que praticam ou que sofrem esse tipo situação, um alerta aos pais, e amigos de pessoas que passam por dificuldades como as dos personagens.

O livro nos traz uma lição de coragem, amadurecimento e  principalmente de compreensão, foi um experiência incrível ler o trabalho da autora e recomendar a todos vocês é mais como um dever. Espero que tenham gostado da resenha e que possam tirar grandes lições dessa estória assim como eu.
Um grande beijo e até a próxima!

Jovem Adulto • Editora Gutenberg • 272 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: Amazon SubmarinoSaraiva

26 ago, 2018

[Resenha] Jardim De Inverno Kristin Hannah

Sinopse: Meredith e Nina Whiston são tão diferentes quanto duas irmãs podem ser. Uma ficou em casa para cuidar dos filhos e da família. A outra seguiu seus sonhos e viajou o mundo para tornar-se uma fotojornalista famosa. No entanto, com a doença de seu amado pai, as irmãs encontram-se novamente, agora ao lado de sua fria mãe, Anya, que, mesmo nesta situação, não consegue oferecer qualquer conforto às filhas.

“Jardim de inverno” é um romance, onde a autora abordou um drama familiar e concentrou a história em cima desse drama, um livro rico em acontecimentos que gostei muito de ler, com algumas ressalvas é claro, espero muito que gostem da resenha.
Escolhi realizar a leitura de ‘Jardim De Inverno’ porque achei muito propício aproveitar a temática da obra na estação que mais gosto do ano, antes que ela acabe, e gostei muito de boa parte da obra e escrita de Kristin, eu particularmente gosto muito de dramas, é o tipo de leitura que me atrai, não sei explicar o motivo, e além de toda essa abordagem existe um suspense em relação a um dos personagens em que autora conseguiu explorar bem e que me deixou mais interessada e ligada a leitura.

“Nós mulheres, fazemos escolhas pelos outros, não por nós mesmas. E quando somos mães, nós suportamos o que for preciso por nossos filhos.”

Conhecemos um pouco da vida de Meredith e Nina, duas irmãs que tiveram a infância negligenciada pela mãe Anya, uma mulher que sofre com seus problemas pessoais e internos e mantém uma relação de carinho com o marido, um homem que cuida muito bem de sua família e que esta sempre disposto a mediar a relação da mãe com sua filhas. Anya nunca deu a Meredith e Nina a atenção e cuidado necessário, sempre foi muito fria e distante, entretanto o mistério está nesses fantasmas que assombram a vida dessa mulher.

Meredith e Nina seguiram caminhos completamente diferentes depois de adultas, Nina se tornou uma grande fotografa e passa a maior parte de sua vida viajando buscando o clique perfeito, já Meredith se casou, e tocou o negócio da família, ambas passam por momentos de verdadeiras provações, Meredith irmã mais velha enfrenta um distanciamento enorme entre ela e seu marido e isso tudo piora muito com o tempo, Nina nunca conseguiu se prender a nada e sempre que vê um problema ela foge para o mais longe possível.

Em meio a tantas circunstâncias negativas, as mulheres da estória de Kristin, sofrem um perda terrível, para as irmãs um pai maravilhoso e para a esposa o seu grande amor seu alicerce, este homem que por anos cuidou de sua família acaba morrendo e em seu leito de morte faz um último pedido as filhas, para que elas tentem de todas as formas possíveis se aproximarem da mãe mesmo quando Anya as afastarem.

A escrita de Hannah é envolvente, misteriosa e criativa, como disse anteriormente gostei de boa parte do livro, um romance bem construído, com bons personagens com histórias de vida sólidas e comparáveis a realidade exatamente como gosto em um livro, entretanto preciso fazer uma ressalva a forma como a autora contou repetidamente os sofrimento dessas mulheres, principalmente em relação ao papel de Meredith em seu casamento, em alguns momentos a leitura se tornou uma repetição de fatos já apresentados aos leitores.

A autora possui um escrita bem fluída e de fácil compreensão, o que torna a leitura agradável, somente em relação este ponto da repetição sobre algo que o leitor já tinha conhecimento, é que Hannah teria que ter melhorado, a obra toda é muito boa, e recomendável, espero muito que possam aproveitar a dica de hoje, vejo vocês em breve!

Drama • Editora Novo Conceito • 416 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: AmazonSubmarino Saraiva
22 jul, 2018

Série Anne With An E Disponível No Netflix

O assunto de hoje é série, uma daquelas produções maravilhosas que é necessário falar, indicar, comentar e tudo mais. “Anne With An E” é baseada em um livro Anne de Green Gables e está disponível no ‘Netflix’ foi uma surpresa tão boa e emocionante que precisei vir aqui no blog falar um pouco a respeito dela, espero que gostem tanto quanto eu da dica de hoje!

Sinopse: Anne (intitulado Anne with an E ou Anne com E na Netflix) é uma sériede televisão canadense baseada no livro de 1908 Anne de Green Gables, de Lucy Maud Montgomery e adaptada pela escritora e produtora vencedora do Emmy, Moira Walley-Beckett.

Anne é uma jovenzinha muito inteligente, esperta e altruísta, ela sente e enxerga o mundo de uma forma peculiar, um jeito só dela e muitas vezes as pessoas se espantam com tamanha perspicácia, Anne é órfã e infelizmente já sofreu muito, em seu último lar era empregada, e não pode ter sua infância da forma correta, e por ser uma menina sem pais desde muito cedo viveu em um orfanato, local de onde trás recordações tão terríveis quanto as da casa de sua ultima família.

Enfim a doce Anne encontra um lar em Green Gables, uma fazenda onde se tornara parte da familia de Mathew e Marilla, dois irmãos que vivem sozinhos e por obra do destino tiveram a grande sorte de adotar Anne, lá em seu novo lar a jovem irá conhecer os caprichos de uma sociedade de cidade pequena, irá aprender a lidar com as diferenças e preconceitos existente por lá e também fará amizades incríveis.

A série é um obra que aborda questões tão delicadas quanto a própria personagem, com ensinamentos de amor e respeito ao próximo, e o quanto o ser humano pode ser desprezível ao mesmo tempo com pensamentos retrógrados e preconceituosos, de uma forma totalmente diferente do comum, os assuntos abordados na produção são, racismo, preconceito ou até mesmo questões de sexo e gênero que naquela época era completamente absurda aceitação da sociedade.

Entretanto de um jeito muito bonito os personagens caminham para o entendimento de todos esses temas, e nos dão uma lição de moral, amor, empatia etc. Espero muito que possam assistir, e entender o porque gostei tanto da série, um grande beijo e até a próxima!

05 jul, 2018

[Resenha] Mrs.Dalloway Virginia Woolf

Há muito tempo queria conhecer a obra mais famosa da autora Virginia Woof, uma escritora conhecida na literatura clássica, sempre tive vontade de ler suas obras e essa foi minha oportunidade, “Mrs Dalloway” é um trabalho para ser apreciado aos poucos e absorvido com o tempo.
Sinopse: Obra mais famosa de Virginia Woolf, Mrs. Dalloway narra um único dia da vida da famosa protagonista Clarissa Dalloway, que percorre as ruas de Londres dos anos 1920 cuidando dos preparativos para a festa que realizará no mesmo dia à noite. Pioneiro na exploração do inconsciente humano por meio do fluxo de consciência, Mrs. Dalloway se consagrou tanto pelo experimentalismo linguístico quanto pelo retrato preciso das transformações da Inglaterra do período entre guerras. Misto de romance psicológico com ensaio filosófico, este livro resiste a classificações simplistas e inaugura um gênero por si só. Precursor de algumas das maiores obras literárias do século XX, este romance é uma leitura incontornável que todo mundo deve fazer ao menos uma vez na vida.


Clarissa Dalloway é um mulher na casa do cinquenta anos, casada, pertence a classe média alta da sociedade onde vive, e irá dar uma festa, ela percorre as ruas de Londres em busca de flores e dos preparativos para o evento que irá realizar logo mais a noite, durante sua caminhada e compras acontece diversos encontros e reflexões que o leitor vai acompanhando durante a leitura.
O livro possui uma proposta simples de ser entendida, conta sobre o dia de uma dona de casa rica e os preparativos de uma festa que a mesma irá realizar, entretanto a simplicidade da obra termina por ai. A autora fala sobre como a personagem ao comprar flores ou arrumar um vestido se encontra com diversas pessoas de sua juventude e tem várias lembranças de como as coisas ocorriam naquela época, de uma forma nada tradicional e até mesmo complexa acompanhamos a rotina do dia de Clarissa.
No primeiro momento da leitura não sabia o que estava lendo de fato, até que resolvi pesquisar mais a fundo a forma como Woolf trabalhou sua obra mais famosa, ela utiliza uma linha chamada fluxo de consciência que consiste em fazer com que o leitor se introduza de uma forma peculiar nos pensamentos da personagem, após entender isso a leitura aconteceu de forma até mais proveitosa do que eu imaginava.
Outro fator interessante sobre o livro é que ao mesmo tempo que nos introduzimos nos pensamentos de Clarissa, percebemos que a própria autora está presente na personagem de diversas maneiras algo fantástico em uma leitura, fiquei fascinada com a genialidade de Virginia.
Para muitos o livro pode ser algo difícil, e cansativo, mais na minha opinião foi uma experiência única que mereceu ser vivida, quero muito ter a oportunidade de ler mais obras da autora e ter mais contato com seu trabalho tão diferenciado dos demais.
Espero muito que tenham gostado, um grande beijo e até a próxima!
Clássicos • Editora Cia Das Letras • 235 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: AmazonSubmarinoSaraiva
31 maio, 2018

[Série] Bitten Syfy

Já tinha um tempo que queria falar sobre série aqui no blog, e não estava conseguindo aquela conexão bacana com as séries que comecei a assistir, mais hoje quero compartilhar com vocês um pouco de Bitten, toda vez que a olhava pensava, depois eu vejo, e agora já na terceira temporada eu penso porque adiei tanto gente? Alguém me explica por favor? Espero que gostem da dica!

Sinopse: As aventuras de Elena Michaels (Laura Vandervoort), uma bela loira de 28 anos de idade que é a única lobisomem do sexo feminino em todo o mundo. Órfã, ela imaginava que tinha encontrado seu “feliz para sempre” ao lado de Clayton (Greyston Holt), até que, com uma simples mordida, sua vida mudou para sempre.

“Bitten” é uma série de lobos, sua temática principal é a história de uma matilha que começa dividida nos primeiro episódios, entretanto alguns problemas faz com que o alfa Jeremy convoque todos para uma reunião, e isso acaba trazendo a tona acontecimentos do passado de alguns deles.
O primeiro membro que conhecemos é Elena a única mulher que sobreviveu a transformação na história dos lobos, geralmente quando uma mulher é mordida ela não dura muito tempo, no caso de Elena foi diferente ela possui algo de especial e se tornou uma loba respeitada por todos mais também se tornou alvo de curiosos de outras matilhas, e a protagonista não gosta da  vida que foi obrigada a ter, sua transformação foi algo doloroso e envolveu seu grande amor Clay.
Com uma mistura de suspense, fantasia, drama e até mesmo magia, Bitten foi lançada em 2014 e está disponível no canal  Syfy, uma série cheia ação e suspense, que irá lhe prender do começo ao fim, ótima para curtir no final de semana, a série conta um pouco sobre a trajetória de Elena e de sua matilha com muita cenas picantes dos casais apaixonados que a compõem.
Espero que tenham gostado da dica de hoje! Um grande beijo e até a próxima!
28 maio, 2018

[Resenha] O Clube De Leitura De Jane Austen Karen Joy Fowler

Quando iniciei a leitura desse livro estava muito empolgada com a possibilidade de contato com mais obras de Jane Austen, o livro apresentava um proposta tentadora sobre um clube em que pessoas realizam discussões sobre obras da autora clássica conhecida por todos por seu talento e escrita, algumas coisas durante a leitura não foram exatamente como imaginei então já adianto que o livro não me cativou como o previsto, entretanto é uma leitura válida para embarcar no mundo clássico de Austen, espero que gostem da resenha!

Sinopse: Cinco mulheres e um homem se reúnem para debater as obras de Jane Austen na Califórnia do início dos anos 2000 e acabam descobrindo, entre casamentos frustrados, arranjos sociais e afetivos, que suas vivências não são assim tão diferentes das experimentadas por Emma ou outras personagens da escritora britânica que tão bem descreveu a sociedade de sua época, dois séculos atrás. No livro, que figurou na lista do mais vendidos do The New York Times e deu origem ao filme homônimo estrelado por Kathy Baker e Emily Blunt, a premiada escritora norte-americana Karen Joy Fowler disseca as relações contemporâneas com acuidade, humor e ironia dignos da autora de Orgulho e preconceito e outras obras que continuam fascinando leitores de todas as idades. Uma homenagem a uma das maiores escritoras da língua inglesa e uma deliciosa comédia de costumes dos nossos tempos.

Inicialmente a leitura descreve a formação de um grupo de pessoas, cinco mulheres e um homem que se reúnem para ler e debater as obras de Jane Austen, vagarosamente a autora conta um pouco de cada personagem e suas características mais intimas, narrando um pouco dos dilemas pessoais de cada membro do grupo passamos então a conhecer melhor cada um deles e nos introduzir em suas vidas particulares.
“O Clube De Leitura De Jane Austen” apresenta uma narrativa onde  as experiências vividas pelos personagens são influências das histórias que leram, é interessante ver as semelhanças e o quanto os livros de Jane Austen afetam o cotidiano e vida de todos, as histórias de época criadas pela autora clássica e a atualidade de cada integrante do clube de leitura são muito parecidas.
A autora possui uma escrita leve e de fácil entendimento, o livro pode ser lido com calma o que me deixou satisfeita, como se fosse uma leitura antes de dormir, foi assim que consegui desenvolve-la melhor, sem grandes emoções ou acontecimentos marcantes, mais com uma estrutura muito bem feita Fowler aos poucos mostra sua proposta e a entrega de forma satisfatória ao leitor.
O livro se prende em contar sobre os personagens mais especificamente o passado de cada um deles, o que o torna lento em alguns momentos, não chega ser um ponto negativo mais irá exigir um pouco mais de paciência do leitor. Uma das coisas mais chamativa na obra é quando os membros do clube se reúnem para conversar sobre suas leituras de Jane Austen, acredito que os fãs da escritora irão gostar muito desses momentos. Fiquei mais curiosa ainda em conhecer melhor o trabalho de Austen, li apenas um obra da mesma e sinto que devo ler todas as outras assim que possível.
Gostei da leitura, mais ela não me prendeu como imaginava que seria, não senti atração ou empatia maior por nenhum dos personagens criados pela autora, o ponto crucial no livro em minha opinião é as discussões sobre uma autora clássica conhecida e amada por muitos, fora isso o livro perde seu interesse, poderia ter sido trabalhado de uma forma mais chamativa ao leitor fora o nome e o assunto principal. Acredito que o Clube De Leitura De Jane Austen é mais para que o leitor conheça a escrita da autora e de certa forma se inteirar das obras de Jane Austen.
Um grande beijo e até a próxima!

Romance• Editora Rocco • 320 Páginas • Classificação: 5/5
Skoob • Compre: AmazonSubmarino Saraiva
24 maio, 2018

[Filmes] Quatro Dicas De Filmes Para O Final De Semana [Netflix]

Olá pessoal hoje quero compartilhar com vocês quatro dicas de filmes para que possam aproveitar o final de semana, um desses filmes já tive a oportunidade de assistir e vou contar um pouco sobre ele, os outros dois são filmes novos que estou louca pra ver, espero que gostem!
O primeiro filme de hoje se chama “Lá Vem Os Pais” e trata-se de uma comédia com uma pitada de drama que adorei ver,  duas famílias grandes terão que sobreviver a uma semana juntos antes do casamento dos filhos, o pai do noivo é médico possui dinheiro e esta vindo para se hospedar em um hotel na cidade da noiva de seu filho, tudo foi preparado pelo pai da noiva, um homem simples que nutre um amor imenso pela jovem. As coisas começam a dar a errado e os pais começam a se desentender, de uma forma cômica e divertida assistimos a bagunça que a família faz durante o casamento e percebemos o amor que pai e filha tem um pelo outro independente das circunstancias
.
Nossa próxima dica é Cargo em meio a um apocalipse zumbi um pai desesperado busca alguém que possa cuidar de sua filha, o filme me parece ser forte e fiquei intrigada com as imagens iniciais, foi disponibilizado recentemente e é classificado como terror, porém apresenta uma ideia principal de drama também. Estou louca para ver!
“A Barraca Do Beijo” é nossa terceira dica de hoje me parece ser um filmes leve, tipico para jovens, onde uma garota se apaixona pelo melhor amigo e isso pode custar a amizade de ambos.
“King” é um filme que irá falar sobre a busca por vingança de homem que teve a irmã morta, ele se infiltra em uma rede de crimes em Los Angeles e fará de tudo para alcançar seu objetivo, um filmes de ação para fechar nossas dicas.
Espero que vocês tenham gostado, bora assistir juntos e depois conversamos sobre eles o que acham? Um grande beijo e até a próxima!
07 maio, 2018

[Resenha] Para Todos Os Garotos Que Já Amei – Jenny Han

Sempre tive um sensação muito boa sobre este livro, a autora já é muito conhecida e eu estava cada vez mais curiosa para conhecer seu trabalho, foi então que entendi o motivo de gostarem tanto da escrita de Jenny Han, Para todos os garotos que já amei me conquistou de uma forma cativante e me empolguei demais com as possibilidades da história, espero muito que gostem!

Sinopse:  Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa azul-petróleo que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu. Uma para cada garoto que amou — cinco ao todo. São cartas sinceras, sem joguinhos nem fingimentos, repletas de coisas que Lara Jean não diria a ninguém, confissões de seus sentimentos mais profundos. Até que um dia essas cartas secretas são misteriosamente enviadas aos destinatários, e de uma hora para outra a vida amorosa de Lara Jean sai do papel e se transforma em algo que ela não pode mais controlar.

Lara Jean é a filha do meio e possui uma relação de amizade e parceria com suas irmãs, Margot é a mais velha é a que cuida da família de uma forma especial e com a responsabilidade que assumiu quando a mãe morreu, sempre muito correta e com muita coragem Margot enfrentou todos os desafios para ajudar seu pai a criar suas irmãs e para manter a organização da casa. Kitty é a irmã mais nova, porém as vezes parece ser a mais sábia das três em muitas questões, muito determinada Kitty possui uma característica muito forte quando se trata de conseguir o que quer.

“Para que uma coisa dê errado de um jeito tão colossal e horrível, tudo precisa acontecer na ordem certa e no momento certo, ou, nesse caso, no momento errado.”

As meninas tiveram que amadurecer de forma muito rápida desde da morte da mãe, para ajudar o pai que é médico e possui uma rotina muito corrida elas se organizam e seguem a liderança de Margot, entretanto ela está indo para faculdade o que significa que Lara a jovem tímida e recatada terá que assumir algumas responsabilidades que sua irmã irá deixar para trás.

“Quando uma pessoa fica longe muito tempo, você começa a guardar na memória todas as cosias que quer contar. Tenta manter tudo organizado na cabeça. Mas é como tentar segurar um punhado de areia: os grãos mais finos escapam da mão, e, de repente, você só está segurando ar e brita. É por isso que não se pode tentar guardar tudo assim.”

Nossa protagonista é uma jovem sonhadora e escritora também possui um hábito peculiar, escreve cartas para garotos que já amou e as guarda em um lugar muito especial, uma romântica como muitas de sua idade Lara é delicada e muito amiga junto de suas irmãs elas forma um trio perfeito apelidado carinhosamente de as irmãs Song.
Quando as cartas secretas de Lara começam a ser enviadas misteriosamente sua vida vira de ponta cabeça, sua irmã mais velha já esta longe, estudando em outro país, sua amiga mais próxima é meio problemática o que obriga Jean a enfrentar todas as consequências a seguir sozinha. Uma delas é fingir um namoro com um doa caras mais conhecidos da escola.
A leitura é entre tantas outras coisas encantadora, um livro cativante que me remeteu a minha própria adolescência e as enrascadas em que eu me metia com facilidade assim como Lara Jean, as personagens criadas neste livro são muito familiares para mim, sou a irmã do meio, minha irmã mais nova tem muitas das características de Kitty e minha irmã mais velha é uma Margot por completa, o que mais me conquistou foi essa semelhança, parecia que estava embarcando em minha própria jornada foi fascinante.

– Você só gosta de caras com quem não tem chances, porque tem medo. Do que você tem tanto medo?– Não tenho medo de nada. -Até parece. Você prefere criar uma versão idealizada de alguém na sua mente a ficar com a pessoa.”

Jenny Han ganhou mais uma fã, como era de se esperar gostei muito do livro e da escrita da autora que foi feita de uma forma leve, criativa e com personalidade, principalmente ao criar personagens e acontecimentos tão autênticos e relacionados com a vida real, afinal muitas meninas já escreveram cartas para seus namoradinhos da escola, isso é coisa típica da minha época, onde não existia celular ou computador com tanta facilidade como hoje, uma coisa romântica de se fazer nessa idade vivida por tantas jovens. Foi uma experiência maravilhosa conhecer este primeiro livro, e estou muito curiosa pelo próximo qual será o destino que a autora preparou para Lara e Peter? Estou torcendo pelo envolvimento definitivo desses dois com toda certeza.
Espero muito que vocês tenham gostado, um grande beijo e até a próxima.

Romance| 320 Páginas Editora Intríseca|Compare & Compre: SubmarinoSaraivaAmazon| Classificação: 5/5| Skoob