Olá pessoal, nessa pequena resenha trago a vocês minha primeira leitura acadêmica se assim posso dizer, realizei a leitura deste pequeno livro como indicação dos professores, ainda não fiz um post sobre isso mais comecei minha graduação em letras e existem algumas leituras a serem realizadas ao longo do curso, então vamos conferir!

Sinopse:Em sociedade que exclui dois terços de sua população e que impõe ainda profundas injustiças à grande parte do terço para o qual funciona, é urgente que a questão da leitura e da escrita seja vista enfaticamente sob o ângulo da luta política a que a compreensão científica do problema traz sua colaboração. É um absurdo que estejamos chegando ao fim do século, fim de milênio, ostentando os índices de analfabetismo, os índices dos que e das que, mal alfabetizadas, estão igualmente proibidos de ler e de escrever, o número alarmante de crianças interditadas de ter escolarização e que com isso tudo convivamos quase como se estivéssemos anestesiados.

Na leitura realizada podemos identificar questões importantes abordadas pelo autor como a releitura da visão de mundo de cada ser humano, antes da leitura de qualquer outra coisa, essa releitura envolve analisar fatores da infância, da juventude e até mesmo da fase adulta, que determina a maneira como iremos interpretar nossas próximas leituras.
O ator nos mostra que a leitura do mundo é fundamental para compreensão da importância ato de ler, de escrever ou reescrever essa visão através de uma prática consciente. O ato de ler implica na maneira como se interpreta algo, na interpretação critica do que se está lendo, Paulo Freire fala ainda através desse pequeno livro sobre a alfabetização de adultos e de bibliotecas populares, para ele falar sobre esses assuntos determinados é entre muitas outras coisas rever o problema de leitura e escrita, e tomar partido da situação em si. Ele menciona que devemos tornar a prática da educação em algo crítico em oposição ao que é comum.
“Do ponto de vista crítico é tão impossível negar a natureza política do processo educativo quanto negar o caráter educativo do ato político.”
Devemos entender que como educadores precisamos ser coerentes, para que possamos de forma correta transferir nossos conhecimentos ao próximo, Só educadoras e educadores autoritários negam a solidariedade entre o ato de educar e o ato de ser educado pelos educandos. É na intimidade das consciências, movida pela bondade dos corações, que o mundo se refaz, e, já que a educação modela as almas e recriam corações ela é a alavanca das mudanças sociais.
A realização da leitura dessa obra de Freire nos faz entender que a educação está diretamente ligada ao ato político e devemos desenvolver junto aos educandos uma leitura crítica, temos que realizar esse processo juntos, pois se não estamos exercendo uma função autoritária perante o aluno, a construção da sociedade se faz em conjunto, não podemos apenas entender que sabemos tudo quando na verdade ainda temos muito a aprender, quanto mais unidos formos nessa leitura e releitura de mundo mais fácil vamos enfrentar as dificuldades que cruzarem nosso caminho como o econômico, o social e o cultural e então só ai teremos sucesso
 
Educacional | 60 Páginas | Skoob | Compare & Compre: Submarino • Saraiva •Amazon| Classificação: 4