Apesar de atualmente não estar mais cursando a graduação em letras, vez ou outra eu retomo meus estudos de forma independente através dos livros e materiais que utilizei, e fazendo um retorno aos estudos de literatura que particularmente aprecio muito me deparei com um conteúdo extremamente válido para compartilhar com vocês leitores!

Já tem um tempo que não escrevo ou compartilho nada no quadro literatura em pauta, por isso resolvi voltar aqui nesse espaço criado no blog para compartilhar com vocês algumas especificações interessantes a respeito dos elementos da narrativa que por muitas vezes causam confusão durante a realização de uma leitura.

E para quem não tem a menor ideia do que eu estou falando, os elementos da narrativas são eles: Enredo, Nó, Clímax, Desfecho, Personagem, Autor, Narrador, Foco Narrativo, Espaço e Tempo. Todos eles fazem parte das nossas leituras, e por isso acredito ser importante e interessante saber distingui-los.

Vamos começar pelo Enredo, no inglês plot. O enredo nada mais é do que o conjunto de fatos narrados em uma história, que seguem uma determinada estrutura. • Exposição; desenvolvimento ou complicação; clímax e desfecho. (narrativas tradicionais). • Textos contemporâneos tendem a quebrar essa estrutura. • Ex: [Romeu e Julieta] A estória acontece no século XVI, e é sobre dois adolescentes de Verona, que se amam, mas são oriundos de famílias rivais.

Nó, Clímax e Desfecho • Nó: algum fato que interrompe o fluxo da situação inicial da narrativa de modo a criar um obstáculo que deverá ser enfrentado. Podem ser mais que um. • Sem o nó, não temos conflito dramático. • Ex: Chapeuzinho Vermelho: quando a personagem principal, contrariando a mãe, segue por um caminho alternativo no meio da floresta. • Nos textos dramáticos, principalmente nas Tragédias, o nó é fundamental, já que é a partir dele que nasce a hamartia (o erro trágico

Clímax: ponto máximo de tensão do texto; é o momento em que o leitor, já tendo acompanhado o desenrolar da trama, se pergunta como irá terminar a história, qual será o desfecho dos personagens

Desfecho: resolução do conflito dramático; momento em que uma das forças sai vitoriosa. Geralmente, corresponde ao fim da narrativa.

Curiosidades

Verossimilhança

• Chamamos de verossimilhança a verdade interna do texto, ou seja, aquilo que é narrado não precisa ser verdadeiro, mas deve parecer verdadeiro. • Acreditamos em heróis, por exemplo, porque no universo da história ou eles não são totalmente humanos ou passaram por mutações. • Harry Potter, Animais falantes, etc.

Personagens
São os seres que viverão os fatos narrados no enredo e, quanto à sua participação no enredo variam entre:

Protagonistas: são os personagens principais, em torno dos quais gira o enredo. Ex: Chapeuzinho Vermelho.

Herói: Ulisses, Peri, etc. •

Anti-herói: Macunaíma, Dom Quixote ou Jean Valjean, entre outros.

Herói trágico: Édipo, Okonkwo, Hamlet, etc.

Seguindo com nosso conteúdo, temos:

Autor, Narrador e Foco Narrativo
Autor: Não é o narrador, mas a pessoa real, de carne e osso, que escreveu a obra. Às vezes o narrador é o alterego do autor. Eu lírico é um termo usado dentro da literatura para demonstrar o pensamento geral daquele que está narrando o texto.

Antagonistas: é o personagem que se opõe ao protagonista, criando os problemas que ajudarão ao desenvolvimento do conflito. • Ex: Lobo-mau.
• Com exceções, quase sempre são os vilões. • Podem ser seres não vivos, como a morte, a seca, o mar, etc., ou organizações.
• Secundários: ocupam o segundo plano da história e desempenham papéis menores que dão suporte às ações dos personagens principais.

Tipo de personagem:
• Redondo: também conhecidos como personagens complexos, são o tipos mais próximos aos seres humanos de verdade, já que possuem densidade psicológica, sofrem alterações de comportamento durante a trama. • Ex.: Capitu e Bentinho, de D. Casmurro; O Monstro, de Frankenstein; Otelo, da obra de Shakespeare.

• Plano: também conhecidos como personagens lineares, tendem a manter-se da mesma maneira durante todo o desenrolar da trama. Têm baixa densidade psicológica. • Tipo: plano tipo é o personagem que possui um traço de caráter muito característico, seja ele moral, social, econômico, o que o identifica como participante de um grupo. • Às vezes, sequer têm nomes, são conhecidos apenas pelos tipos que representam: o jornalista, o padeiro, o barbeiro, a vizinha, a beata, o atleta, o malandro.

Caricato

Descrição direta:
Ele é um homem de aproximadamente 30 anos. Usa óculos, tem cabelos pretos curtos, usa barba, usa gravata borboleta e tem um estilo hipster.

Descrição indireta.
Da turma, João era o único que não usava barba nem óculos. Certa vez, tinha dinheiro no bolso, mas se negou a emprestar aos dois amigos, dizendo-lhes que estava sem um centavo

Narrador e foco narrativo

Narrador
É um elemento ficcional criado pelo autor para dar voz à narrativa

Foco narrativo:
FOCOS NARRATIVOS EM TERCEIRA PESSOA:

• Observador Onisciente Neutro: tipo mais comum de narrador, ele fica de fora da história e se limita a contar os fatos, sem interferir neles.
• Observador Onisciente Intruso: possui as mesmas características básicas do tipo anterior, mas interfere na história narrada, comentando os fatos e fazendo julgamento sobre as ações das personagens.
• Onisciente seletivo: é um tipo de foco em que há uma grande presença de discurso indireto-livre, ou seja, os pensamentos saem diretamente da cabeça da personagem, sem muitos filtros.

FOCOS NARRATIVOS EM PRIMEIRA PESSOA:
• Narrador protagonista: narra em primeira pessoa do singular fatos vivenciados por ele. Ex: Bentinho, de Dom Casmurro.
• Narrador testemunha: não é o personagem principal da história, assim sendo, assume a primeira pessoa para narrar uma história protagonizada por outro, mas da qual ele teve participação.

Por fim temos os famosos:

TEMPO

• Tempo Objetivo (cronológico): refere-se à sucessão temporal dos acontecimentos, podendo ser medido pela passagem de horas, dias, anos, datas.

• Tempo Subjetivo (psicológico): trata do tempo de experiência subjetiva dos personagens.

ESPAÇO

O espaço corresponde ao caráter geográfico e arquitetônico de modo a identificar o(s) lugar(es) onde se desenvolve a história.
Ambiente: caracteriza determinada situação dramática em determinado espaço. Ex: Macabro. Ambientação: compreende “a identificação do local, do ambiente”.

• Ambientação franca: feita pelo discurso do narrador.

• Ambientação reflexa: produzida a partir da focalização de um ou mais personagens; ele(s) constrói(em) o ambiente onde se desenrola a ação. • Ambientação dissimulada e oblíqua: o ambiente é apenas sugerido a partir das ações das personagens.

• Ex: Eva subiu na macieira, mas ao tentar tocar o fruto, caiu sobre a verde relva.

Essas são características que compõem os livros que lemos diariamente, o intuito do post era informar/compartilhar um pouco desse conhecimento de forma mais detalhada dos elementos de uma narrativa de acordo com o que venho estudando , espero muito que tenha contribuído de alguma forma na vida vocês!

Xoxo