Sabe aquela sensação de que você precisa compartilhar conhecimento com as pessoas sobre algo que gostou? Pois é estou me sentindo assim, por isso resolvi trazer para o quadro “literatura em pauta” algumas das coisas que aprendi recentemente e que acredito ser interessante para os leitores do motivação literária e todos que apreciam a literatura e o ato de ler.

Você sabe alguma coisa sobre a origem da escrita e da literatura em nosso país? Como se deu a literatura no Brasil? Como ela foi dividida durante aquele período e usada até os dias atuais?
Se você não tem as respostas para estas perguntas continue lendo esse post porque através dele irei responder essas questões, espero que gostem!
Começamos por uma época conhecida como quinhentismo ( 1500-1601)
Os textos que circularam no século XVI são documentos históricos e não produções literárias propriamente ditas, embora, muitas vezes, tais textos tragam aspectos que aproximam sua estética do fazer literário.
São três tipos:
– Literatura de Informação;
– Literatura de Viagem;
– Literatura de Formação.
Literatura de Informação
– Carta do Achamento do Brasil, de 1º de maio de 1500, escrita pelo escrivão da expedição portuguesa, Pero Vaz de Caminha. Características: Escrita em forma de diário de bordo e datada da “Ilha da Vera Cruz, hoje, sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500” (MOISÉS, 2001, p.29), a Carta destinada a el-rei D. Manuel I refere-se ao descobrimento de uma nova terra e as primeiras impressões acerca da natureza
Literatura de Viagem – São cartas ou crônicas escritas pelos europeus que passaram pelas terras brasileiras no século XVI na condição de viajantes (sem vínculo com a coroa portuguesa).
– Pero Lopes de Souza, viajante português, autor de Diário de Navegação. – Hans Staden: viajante alemão, autor de Duas viagens ao Brasil (1557). Contribuiu para disseminar a imagem do Brasil na Europa, e a visão dos índios como canibais cruéis.
Literatura de formação
– Textos dramáticos, diálogos e poemas escritos pelos jesuítas visando a catequização dos índios. Possuíam caráter pedagógico e moral.
Principais nomes – José de Anchieta: Arte Gramática da língua mais usada na costa do Brasil; Cartas, informações, fragmentos históricos e sermões; Poema da Virgem. – Manuel da Nóbrega: Diálogo sobre a conversão do gentio.
Esses foram os primeiro escritos e como eles ocorreram, não são considerados literários porém tem grande contribuição para análise e crítica, também possuem características próprias os tornando extremamente especiais, principalmente em suas estéticas que se aproximam muito da literatura em sí.
Por hoje é só, espero muito que de algum jeito esse post tenham contribuído para o conhecimento de vocês, em breve trago mais algumas postagens bacanas por aqui no literatura em pauta.
Xoxo