Falar sobre obras significativas tem se tornado cada vez mais frequente em meu dia a dia aqui no blog e nas redes sociais, porém não tem sido mais fácil, devido a uma inclinação a falar tudo que apreciei, com “Os Segredos Que Guardamos” não foi diferente, uma leitura singular, fluída, interessante e impactante por seu conteúdo, espero que gostem da resenha!

Sinopse: Inspirado em uma missão real da CIA durante a Guerra Fria, Os segredos que guardamos mostra, de maneira romanceada, como a Agência de Inteligência americana apostou em Doutor Jivago, uma das obras-primas do século XX, para mostrar aos soviéticos o poder de mudança da literatura.O plano era simples: imprimir no exterior Doutor Jivago em russo e contrabandear exemplares da obra que teve sua publicação proibida na União Soviética por ir contra a ideologia do Estado. Para tanto, a experiente e glamorosa espiã americana Sally Forrester deve treinar a novata Irina, uma simples datilógrafa da Agência, a fim de infiltrar o texto no país natal de seu autor, Boris Pasternak, vencedor do Prêmio Nobel com esta obra, porém obrigado por seu governo a rejeitá-lo.Apesar de todo o potencial revolucionário, Doutor Jivago é também uma brilhante história de amor. A inspiração por trás de Lara, a icônica heroína da trama, é Olga Ivinskaia, musa de Pasternak. Os dois mantiveram um caso por décadas, uma relação intensa que sobreviveu à passagem do tempo, às ameaças de um regime autoritário e até aos anos de Olga em um gulag. Assim, mulheres de ambos os lados da Cortina de Ferro protagonizam essa obra que mostra que, embora a história seja escrita pelos vencedores, é nos bastidores que o destino do mundo é forjado. Amantes, espiãs, datilógrafas. Fortes e corajosas, essas personagens ganham vida nessas páginas e são exemplos de que determinados segredos não devem ser guardados.

“Os Segredos Que Guardamos” é um livro de estréia da autora Lara Prescott, um romance histórico com pano de fundo voltado para o período da guerra fria a autora não poderia ter começado de forma melhor sua escrita, essa obra foi traduzida para 29 idiomas e já tem adaptação nos cinemas confirmada. Lara mistura ficção com realidade e capta a atenção do leitor durante toda sua narrativa.

O livro tem como proposta nos contar sobre uma missão, esta que por sua vez era realizada pela Agência Central De Inteligência a famosa CIA, quando a segunda guerra mundial acabou a agência de serviços estratégicos colocou um fim em suas atividades e a CIA entrou em ação seu objetivo era concluir a missão que lhe foi passada, trazer a tona toda a verdade sobre o romance entre Boris Pasternak e Olga Ivinskaia.

“Em 1958, Boris Pasternak publicou seu mais conhecido trabalho no mundo ocidental: o romance Doutor Jivago. O livro não pôde ser publicado na então União Soviética, devido às críticas feitas ao regime comunista na obra. Os originais do livro foram contrabandeados fora da Cortina de Ferro e editados na Itália, tornando-se rapidamente em um verdadeiro best-seller, fazendo de Pasternak ganhador do Nobel de Literatura.”

Sobre a história

Naquele período Olga foi colocada em uma situação extremamente difícil, ela teria que escolher entregar seu amante ou ser torturada, é através da visão dela que iremos mais a fundo nessa história. O que queriam de Olga era simples saber o que antecedeu a publicação de Doutor Jivago uma obra polêmica que por muito tempo foi recusada por diversas editoras devido ao medo que seu conteúdo causava. A obra de Posternak possuía conteúdos antissoviéticos dai vinha toda a fonte do problema abordado na leitura.

A leitura se divide entre o oriente e o ocidente vários personagens em momentos distintos narram a história para o leitor, passamos então a conhecer uma outra parte da escrita de Lara, mulheres americanas estão sendo recrutadas pelo serviço secreto, essas mulheres recebem diversas missões e se infiltram como mensageiras para cumprir suas ordens. Irina é uma jovem russa que foi destaque em uma entrevista para datilógrafa, ela é treinada por Forrester a missão dada a Irina é uma das mais peculiares possível.

O papel das mulheres contratadas pela CIA é fundamental no desenvolvimento da leitura, uma das características que mais apreciei no livro. Elas inicialmente estão fazendo seu papel como datilógrafas mais por trás de tudo que digitam e fingem não ver as mesmas se transformam em outras pessoas de forma significativa para a situação em que estão envolvidas.

Sobre a escrita

Lara Prescott me cativou com sua escrita, fluída, envolvente, penetrante, a autora trabalha o mistério, a traição, a discórdia entre outras coisas durante todo o livro, uma leitura que me surpreendeu em diversos pontos, com personagens incríveis e bem trabalhados de forma geral. O leitor se vê preso na trama e a curiosidade é instigada o tempo todo durante a leitura, sem dúvida uma experiência muito positiva foi a que tive lendo “Os Segredos Que Guardamos”

Trabalhando com uma temática de espionagem a autora aborda questões importantes durante sua escrita, a mistura de ficção com a realidade traz ao leitor um toque refinado e impecável, o romance ainda propõem informações valiosas sobre a guerra fria e tudo que se vivia naquele período, história, mistério, espionagem, denúncia, são exemplos do que podemos esperar do livro.

Finalizando

Uma das coisas que vale a pena ressaltar novamente nessa resenha foi o papel exercido pela mulher nessa história, sem sombra de dúvida a leitura é mais um exemplo do que somos capazes e de como fomos e ainda seremos parte importante da história desse mundo, simplesmente fantástico conhecer mais um pouco do que fizemos no passado que foi consagrado agora no presente.

Lara Prescott recebeu o título de Mestrado em Belas-Artes do Michener Center for Writers da Universidade do Texas, Austin, cidade onde mora. Antes disso, trabalhou como operadora de campanhas políticas. Seus textos foram publicados em The Southern Review, The Hudson Review, Crazyhorse, Day One e Tin House Flash Friday. Intrínseca

Espero muito que tenham gostado da resenha!

Xoxo

Título Original: The secrets we kept |Páginas: 360|Gênero: Literatura Estrangeira|Editora: Intrínseca |Minha Avaliação:5/5