ASSINE A NEWSLETTER/NOVIDADES POR E-MAIL

Resenha Cidades De Papel John Green

John Green é um escritor que conquistou muitos fãs pelo mundo todo, quando tive contato a primeira vez com uma obra sua foi lendo a culpa é das estrelas que a propósito foi um livro sensacional que me emocionou muito e me trouxe grandes lições, enfim resolvi ler Cidades De Papel e ver como o autor desenrolou a história de Margo e Quentin. Nesta obra não tive muitos momentos positivos durante minha leitura e algumas coisas me incomodaram um pouquinho, espero que gostem da resenha!



Sinopse: Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte.Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.
Quentin está terminando a escola e como todo adolescente que possui paixões ele não é diferente a razão dos olhos desse jovem brilharem chama se Margo Spielgelman sua vizinha. Eles se conhecem desde da infância e foram marcados por uma situação que viveram juntos, quando mais novos encontraram um homem morto em um parque perto de onde moravam.

Após alguns anos os jovens seguem caminhos diferentes ela se torna a garota mais amada da escola e atrai olhares de todos o garotos. Ele um simples estudante em busca de um lugar ao sol. Cada um deles tinha seus próprios amigos e não se falaram muito desde então.


Em uma noite nada comum Margo invade o quarto de Quentin, ela decide convida-lo para sair por algum motivo que ele desconhecia, mais sua fascinação pela garota o leva a aceitar. Durante essa aventura noturna Margo conta com a ajuda de Quentin para visitar alguns amigos, durante a visita eles fizeram algumas coisas nada legais, era um tipo de vingança, também invadiram locais proibidos coisa tipica de adolescente.

Q tinha vivido o que ele chamou de a melhor noite de sua vida, e ficou muito feliz de ter aceitado o convite de Margo, entretanto no dia seguinte ela some, como não é a primeira vez que a jovem faz isso todos começam a procurar as pistas, porque ela tem esse costume de deixar pistar para que a achem. O sumiço de Margo se estende por mais tempo que o comum e as pessoas começam a se preocupar com ela. Nesse momento Quentin decide ir em busca de Margo, após encontrar uma mensagem em sua janela, o jovem se reuni com um amigo e parte para acharem sua vizinha e paixão de infância.

 A escrita do autor ainda que não tenha gostado tanto da obra foi fluída até certo ponto eu consegui acompanhar bem a trama, em alguns momentos me perdi nos pensamentos dos personagens e fiquei confusa quanto a intenção de cada um presente na história.

O título do livro é explicado por Margo, uma personagem que na minha opinião sofre uma profunda depressão pelas desilusões da vida, com sentimentos conturbados e que sem querer arrastou Quentin para o meio de tudo isso. Outro fator que me incomodou muito, apesar de estar relacionado a fatos da vida real.

A amizade é um tema muito vivido durante a leitura e isso confesso a vocês me agradou bastante, durante a busca por Margo notamos a aproximação de Quentin ao seu grupo de amigos, outro fator interessante sobre a obra é o suspense, sem duvida John Green soube trabalhar bem as questões que envolvia o sumiço de margo, ponto positivo para o autor.



Apesar de em muitos momento a leitura ter se tornado cansativa, tentei levar ao máximo que pude de forma esportiva, mais acredito que é algo que o autor precise trabalhar melhor porque se essa é sua característica de escrita não esta indo muito bem. Infelizmente não me senti motivada com a leitura, pelo contrario me levou ao um estado de desanimo mesmo.

O livro não me surpreendeu em vários aspecto, mais o final foi o mais sem graça possível, e sei que estou sendo muito sincera, mais foi o que senti durante a leitura não posso negar ou mudar o que senti com a obra.

Aos que gostaram de Cidades de papel eu respeito, mais infelizmente não foi uma leitura tão positiva no meu caso como leitora, até breve! Beijos!

Título Original: Cidades de papel|Gênero: Literatura Estrangeira|Páginas:368|
Editora: Intrínseca|Minha Avaliação: 2/5

Nenhum comentário

Seja bem vindo, seu comentário é muito importante para nós, é um imenso prazer interagir com vocês!