Motivação Literária

Resenhas Literárias, Dicas De leitura, Dicas de filmes e séries, Rotina de estudos, Experiências pessoais.

[Resenha] A Filha Perdida - Elena Ferrante @intrínseca

Minha última leitura me deixou extremamente surpresa, imaginei ser um livro mais leve sem muitos assuntos intensos e me deparei com uma obra rica de vivências reais e duras até eu diria, esse foi meu primeiro contanto com a escrita de Elena Ferrante e fiquei marcada pelas suas palavras. Espero que gostem da resenha!

Sinopse: “As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender.” Com essa afirmação ao mesmo tempo simples e desconcertante Elena Ferrante logo alerta os leitores: preparem-se, pois verdades dolorosas estão prestes a ser reveladas. Lançado originalmente em 2006 e ainda inédito no Brasil, o terceiro romance da autora que se consagrou por sua série napolitana acompanha os sentimentos conflitantes de uma professora universitária de meia-idade, Leda, que, aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, decide tirar férias no litoral sul da Itália. Logo nos primeiros dias na praia, ela volta toda a sua atenção para uma ruidosa família de napolitanos, em especial para Nina, a jovem mãe de uma menininha chamada Elena que sempre está acompanhada de sua boneca. Cercada pelos parentes autoritários e imersa nos cuidados com a filha, Nina parece perfeitamente à vontade no papel de mãe e faz Leda se lembrar de si mesma quando jovem e cheia de expectativas. A aproximação das duas, no entanto, desencadeia em Leda uma enxurrada de lembranças da própria vida — e de segredos que ela nunca conseguiu revelar a ninguém.No estilo inconfundível que a tornou conhecida no mundo todo, Elena Ferrante parte de elementos simples para construir uma narrativa poderosa sobre a maternidade e as consequências que a família pode ter na vida de diferentes gerações de mulheres. Skoob
Leda é uma mulher madura professora universitária que dedicou sua vida a criação das filhas e do trabalho como educadora, entretanto ela também é uma pessoa amarga, infeliz que faz questão de deixar claro o quanto não gosta de ter se dedicado a maternidade e a ingratidão que isso gerou a ela como mãe. Cansada e ao mesmo tempo muito aliviada pelas filhas não estarem mais sob suas asas Leda resolve viajar de férias para praia.


A maneira como Leda expõe suas memórias narrando todo o livro é muito sincera e com muito rancor, ela conta suas lembranças de uma vida que claramente se arrepende e muito de ter tido. Leda fala sobre como foi ser mãe de duas meninas e tudo que essa função lhe acarretou durante a vida, todas as lembranças da mulher nos remete á infelicidade e arrependimento com um toque de amargura, porém ao mesmo tempo que a protagonista nos relata suas dificuldades com a maternidade ela também cobra ligações das filhas para saberem como esta indo sua viagem.

Na praia onde Leda escolheu ficar a professora começa a observar uma família muito grande com figuras excêntricas que a faz lembrar da própria criação em meio á tios e primos com as mesmas características da família da praia. O que mais chama atenção de Leda e se torna objeto de obervação é o relacionamento de uma jovem mãe com sua pequena filha. Nina e Elena acabam por se aproximar de Leda o que da início ao um pequeno relacionamento entre a mulher madura e a jovem que ainda enfrentará muitas coisas na vida. 

Durante toda as férias Leda acaba por tomar algumas atitudes conturbadas que fará toda a história ter um foco central, sua relação com Nina apesar de nova pode gerar alguns conflitos internos e externos a todos os envolvidos. A obra tem uma narrativa tranquila repleta de lições e com assunto principal abordado "a maternidade".

Elena Ferrante trabalhou uma história em que ser mãe é um ato que envolve diversos comportamentos, na obra conhecemos a história de Leda e de outras figuras mães com suas próprias experiências ou nenhuma no caso da cunhada de Nina que está grávida de seu primeiro filho por exemplo. O que torna o livro um incômodo em alguns momentos é a intensidade dessas histórias e como a história é pelos olhos de Leda tudo acaba de um jeito meio amargo trazendo sentimento conflitantes para o leitor.

Acredito que uma das características mais fortes na escrita da autora é honestidade, ela não traz floreios para seus personagens e sim os mostram como são e o interessante que estão muito ligados com pessoas reais e histórias de vida reais fazendo com que "A Filha Perdida" seja uma obra mais que especial, significativa!

Elena Ferrante é uma escritora que possui uma escrita maravilhosa, fluída e de forma linear ela nos propõem uma leitura leve, com vários ensinamentos sobre o ato de ser mãe, sobre como isso muda de pessoa para pessoa, um livro rico de diferentes maneiras, a narrativa pelos olhos de Leda é dramática o que faz o leitor sentir algumas coisas como a solidão dessa mulher ou até mesmo sua infelicidade, porém o livro também apresenta reflexões sobre a vida, sobre como agimos com nossos pais e até mesmo nos faz entender um pouco melhor o comportamento deles e o nosso.

Os desfechos dessa história se deram de forma rápida, envolvente e reflexiva tudo ao mesmo tempo, esse foi o primeiro livro que li da autora e irei iniciar minha segunda experiência com o trabalho da mesma, recomendo a leitura á todos que procuram uma boa história de vida, sobre mães, com uma boa escrita e muita sinceridade.

Título Original: La Figlia Oscura |Páginas:173|Gênero:Romance|Editora: Intrínseca|Minha Avaliação: 3/5

Comentários

  1. Olá, tudo bem? É sempre maravilhoso essa oportunidade que os livros tem de nos surpreender né?! Nunca li nada da autora, mas sempre vejo elogios para seus livros e obras, e não é diferente de A Filha Perdida. Por tudo que disse, tenho certeza que me seria uma ótima leitura e fiquei mega curiosa. Dica anotada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. ando vendo algumas resenhas desse livro e sempre com reações positivas.
    Vou ter que ler também pelo visto né?! uahuuahuha
    Adorei sua resenha e muito obrigado pela dica!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mi!

    Eu ainda não li nada dessa autora, mas tenho muita vontade. Esse livro parece ser incrível!
    Gosto de livros que envolvem histórias de mulheres, saber que foi a sua primeira experiência com ela e que você curtiu tanto, jáme deu muitaaaaa vontade de ler ele.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

back to top